AQUÁRIO DO PANTANAL

Denúncia faz juiz determinar bloqueio de R$ 10,7 mi de denunciados

Ex-secretário de Obras do Estado está entre os investigados
28/08/2017 17:27 - EDUARDO MIRANDA


 

O juiz da 2ª Vara de Direitos Difusos e Individuais Homogêneos de Campo Grande, David de Oliveira Gomes Filho, bloqueou na última sexta-feira (25), R$ 10,7 milhões do engenheiro civil e ex-secretário de Obras Edson Giroto, do escritório Ruy Ohtake Arquitetura e Urbanismo, da Fluidra Brasil Industria e Comércio Ltda, e dos representantes destas duas empresas.

Ele atendeu, em parte, pedido do Ministério Público Estadual, que ajuizou ação civil pública contra os envolvidos por exclusão de projeto de filtragem e suporte à vida do contrato inicial do Aquário do Pantanal e de contratação da Fluidra para o serviço, sem licitação. 

O prejuízo gerado por esta manobra denunciada pelo Ministério Público é o mesmo do valor bloqueado dos acusados por improbidade.

O MPE chegou a pedir um bloqueio maior: de R$ 107 milhões (pois também pede que acusados sejam condenados por danos morais coletivos), porém o magistrado, neste primeiro momento do processo, se ateve aos prejuízos materiais alegados. 

O processo é construído com base em denúncias do dono da empresa Terramare, Hugo Gallo Neto, que faria o trabalho de filtragem dos tanques e daria suporte à vida dos peixes por R$ 8,6 milhões (valor que estava incluído no contrato de R$ 84,7 milhões com a Egelte).

O trabalho dele foi excluído do projeto, após alteração mediante ordens superiores, pelo escritório do arquiteto Ruy Ohtake. 

A Fluidra empresa espanhola, com filial em Santa Catarina, foi contratada na sequência, por R$ 25 milhões (R$ 19 milhões só para o sistema de filtragem). Uma ex-funcionária da Fluidra, outra denunciante do MPE, fala em pagamento de propina dentro deste novo contrato. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".