SERVIDORES ESTADUAIS

Definição do reajuste de funcionários públicos sairá na segunda (20)

Folha de pagamento superou a de 2017, em R$ 441 milhões
16/05/2019 17:58 - ALINE OLIVEIRA


 

A reunião realizada na tarde desta quinta-feira (16), entre representantes de sindicatos de algumas categorias profissionais (servidores públicos), deputados estaduais e representantes do governo estado colocou em destaque a situação financeira da administração pública, limite de gastos prudenciais e explicação sobre o abono salarial. 

De acordo com o presidente do Sindicato dos Trabalhadores em Seguridade Social (SINTS/MS), Ricardo Bueno, ao final da reunião, os representantes do governo do Estado se comprometeram a dar uma resposta na próxima segunda-feira (20). 

"Foi a primeira vez que conversamos com o secretário, Eduardo Riedel e tivemos oportunidade de pontuar todas demandas da categoria, como incorporação de abono e índice de reajuste salarial. Nós queremos deixar claro que ninguém quer 'meter a faca no pescoço de ninguém', mas, queremos entender a realidade. Se é verdade que o governo não consegue conceder o aumento; caso o reajuste seja aplicado se daqui três meses não conseguirá pagar ninguém; estas são algumas das dúvidas que queremos esclarecer", pontua. 

O secretário de Estado de Administração (SAD), Roberto Hashioka , explicou que o encontro desta quinta-feira serviu para esclarecer informações importantes do cenário econômico do estado aos representantes dos servidores. 

"Nosso objetivo é fazer o possível para manter o abono salarial de R$ 200 reais, porque para os funcionários que ganham salários menores tem uma representação significativa. Contudo é preciso ficar claro que não é possível incorporar ao salário base, mas, sim prorrogar. Outra questão que devemos definir até segunda-feira é o reajuste, pois, a administração está numa situação que não possibilita cumprir os dois pedidos", observa o secretário. 

Conforme apresentado por Hashioka, entre 2014 e 2018 houve um aumento de 60% nos gastos com folha de pagamento estadual, tendo em vista, concursos e promoções de algumas categorias profissionais.

"No entanto, é preciso computar a redução na receita estadual e na estimativa do PIB, que pode cair de 2,5% para 1,5%. Além disso, não podemos ultrapassar o limite prudencial com gastos públicos e a folha deste ano está superior a de 2017, em R$ 441 milhões", conclui. 

APOIO PARLAMENTAR

Na avaliação do deputado estadual, Barbosinha (DEM), a reunião foi positiva, tendo em vista que o governo do estado foi bastante transparente com as informações.

"A comissão dos parlamentares fica satisfeita de intermediar a reunião e o governo deixou claro que vai dialogar com todas categorias. Por isso, a próxima semana será fundamental na definição do que será possível conceder, em termos de reajuste", argumenta. 

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".