ANTIVÍRUS

Defesa de Gerson Claro pedirá<br> anulação de operação do Gaeco

Ex-diretor do Detran também era 'secretário especial', cargo pouco conhecido
05/09/2017 05:00 - DA REDAÇÃO


 

O advogado André Borges, defensor do ex-diretor do Departamento Estadual de Trânsito (Detran-MS) Gerson Claro Dino, pedirá hoje a anulação da Operação Antivírus, desencadeada pelo Grupo de Apoio Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) na semana passada.

Manobra da administração estadual, em 2015, deu a Claro, além da diretoria do Detran, o cargo de “secretário especial”, na Secretaria de Estado de Governo e Gestão Estratégica (Segov), posição que lhe garante foro privilegiado (o direito de ser julgado em instância superior). 

“Ele deveria ser investigado somente com autorização do Tribunal de Justiça”, afirmou Borges.

O advogado informou que direcionará o pedido de anulação a várias autoridades: o juiz José Mário Esbalqueiro Júnior, que mandou prender Claro preventivamente na semana passada; ao desembargador Luiz Cláudio Bonassini, relator da Operação Antivírus; ao procurador-geral de Justiça, Paulo Passos; e também aos promotores do Gaeco.

*Leia reportagem, de Eduardo Miranda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".