Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

SANEAMENTO

Custo com terceirização na Sanesul<br> fica acima do esperado

Aegea orçou em R$ 1,7 bi a universalização da rede de esgoto no Estado
03/06/2017 06:00 - DA REDAÇÃO


 

O custo com a terceirização do serviço de esgotamento sanitário da Sanesul ficou acima do esperado pela diretoria da empresa.

Ao lançar o Programa de Parceria Público-Privada, no ano passado, a estimativa era de que o investimento necessário para universalizar a rede de esgoto nos 68 municípios atendidos pela estatal fosse de R$ 929,92 milhões.

No entanto, a Aegea, empresa que apresentou os estudos técnicos com os valores mais baixos para a execução do serviço estimou em R$ 1,7 bilhão o custo para ampliar a rede em até 10 anos. 

A empresa paulista Aegea, aliás, foi a candidata que obteve melhor pontuação, e por isso, o estudo técnico apresentado por ela será utilizado nas próximas etapas do projeto de Parceria Público-Privada.

O resultado foi publicado na edição de ontem do Diário Oficial. Em Mato Grosso do Sul, a Aegea controla a Águas Guariroba, concessionária do serviço de água e esgoto de Campo Grande, e está ligada ao grupo de empreiteiras, Equipav. 

Outra empresa que participou desta primeira fase da escolha da parceira da Sanesul no projeto de universalização da rede de esgoto foi a empreiteira Andrade Gutierrez, de Minas Gerais. O estudo apresentado por ela estimou em R$ 2,4 bilhões o custo para ampliar a rede de esgoto nos municípios atendidos pela Sanesul. 

*Leia reportagem, de Eduardo Miranda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Felpuda


Em uma das eleições em MS, candidato já oficializado na convenção corria o trecho para conquistar os eleitores. Mal sabia, porém, que time do seu partido e de aliados estava tramando sua derrubada para emplacar substituto que teria mais votos. Por muito pouco, o dito-cujo não foi guilhotinado, conseguindo salvar o pescoço. Agora tudo indica que o mesmo processo estaria em andamento e seria mais fácil, pois a “vítima” desta vez ainda é só pré-candidato. Dizem que a “turma da trairagem” tem know-now no assunto.