GRATUITO

Criado por acadêmicos, curso preparatório para o Enem oferece 48 vagas

Aulas gratuitas na UEMS começam no início de fevereiro
08/01/2019 18:00 - BRUNA AQUINO


 

Curso preparatório para o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) criado por grupo de acadêmicos da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul (UEMS), o cursinho Paralelus, oferece nesta terça-feira (8), 48 vagas gratuitas para novos alunos que querem gabaritar na prova do Enem e conquistar a tão sonhada vaga nas universidades no próximo ano. 

O processo seletivo será realizado neste mês e as aulas iniciam em fevereiro. Podem participar da seleção, alunos que possuem renda baixa em ampla concorrência. Das 48 vagas disponibilizadas, 8 são para alunos indígenas.

Na sua segunda edição, o curso é fruto de um projeto de extensão proposto  em 2018 pelo acadêmico de Medicina da UEMS, Yann Paterlini Miyamoto. O projeto foi criado com o intuito de atender a população carente nas proximidades da universidade, que buscam uma inserção no mundo acadêmico.

Os interessados deverão realizar a inscrição, sem taxa, através do site encurtador.com.br/byJOU .

ENEM

O Exame Nacional do Ensino Médio é uma prova realizada pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, autarquia vinculada ao Ministério da Educação do Brasil, e foi criada em 1998. É utilizada em substituição ao vestibular na maioria das universidades públicas e privadas do país, além de instituições em Portugal. O resultado do exame serve também para autoavaliação (treineiro), certificação de conclusão do Ensino Médio e até oportunidade de inserção no mercado de trabalho. 

Confira abaixo o edital completo do processo seletivo 2019:

 

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".