Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

COMA INDUZIDO

Com coronavírus homem que trabalhou em formatura na Valley está estável

Ele tem 51 anos, está na UTI e tem comorbidades
30/03/2020 12:17 - Izabela Jornada


Homem de 51 anos que trabalhou na boate Valley na área de produção de mídia, está com coronavírus e seu estado de saúde, apesar de grave, é estável. Ele está em coma induzido e entubado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional de Mato Grosso do Sul, em Campo Grande. Edgar Neves Pereira trabalhou na parte de mídia durante formatura que ocorreu no local e jovem infectada pelo vírus também participou. 

De acordo com a esposa do paciente, Deanie Valeska Arte Ortiz Pereira, Edgar, que trabalha como promotor de mídia, esteve na formatura que ocorreu na boate Valley, no dia 18 de março. “É o trabalho dele”, afirmou.

Na ocasião uma das infectadas pelo vírus, Thayany Silva, namorada do empresário Ueze Zahran Stamatis, que mora em São Paulo, e testou positivo para novo coronavírus, também estava no local.

Um fim de semana antes da formatura, Thayany esteve com o namorado, no Rio de Janeiro. Após postagem de Ueze afirmando que estava com positivo para coronavírus, amigos do empresário ficaram preocupados, mas ele afirmou que não esteve em Campo Grande nos últimos meses. Thayany, em seguida, fez o exame, que também deu positivo para a doença. 

Amiga de Thayany, que compartilhou do mesmo copo dela, durante a festa na Valley, também fez o exame, mas deu negativo.

Na semana que ocorreu a formatura, Edgar teve contato com colegas que vieram do Paraná. “Vieram para um churrasco e ontem uma amiga, de 42 anos, foi internada, lá na cidade dela. Agora não sabemos se eles que trouxeram ou se eles pegaram aqui”, disse Deanie.

Na tarde de ontem a Secretaria Estadual de Saúde (SES) divulgou os números dos infectados pelo novo coronavírus em Mato Grosso do Sul. Edgar ainda não fazia parte do balanço, sendo o 37 positivo para a doença até o momento.

Além de Edgar, mais quatro pacientes seguem internados em hospitais. Um deles foi liberado da UTI do Hospital do Proncor e continua apenas na ala de internação, o segundo internado na unidade continua na UTI, mas apresenta melhoras significativas.

Dos 36 que foram infectados, 12 já finalizaram a quarentena e não apresentam mais sintomas da doença. Todos os casos confirmados foram identificados a maneira como pegaram o vírus, apenas um que está em investigação, uma mulher de 56 anos que está em isolamento domiciliar, em Campo Grande.

De acordo com informações dos familiares do paciente, Edgar está tendo melhoras significativas. “O problema são os rins, mas os dele estão bem e ele está sendo medicado, estão cuidando dos pulmões”, afirmou a esposa.

O paciente é hipertenso e diabético e passou mal na última segunda-feira (23). “Fomos até a Upa (Unidade de Pronto Atendimento) do Vila Almeida e como ele estava com falta de ar, encaminharam ele para o Rosa”, declarou a esposa.

Edgar foi entubado e induzido ao coma na última quinta-feira (26). “Disseram que o caso dele é grave, não podemos sair, porque estamos em isolamento também, e lá não estão deixando entrar ninguém”, disse Deanie que tem recebido as informações sobre o esposo por meio de ligações do hospital.

De acordo com a esposa do paciente, o diagnóstico para covid-19 saiu na tarde de ontem. “Tinham feito um primeiro exame, mas na contraprova confirmaram que era coronavírus, ele está com pneumonia também”, disse.

Edgar tem duas filhas e uma delas, Giovana Pereira, de 21 anos, também está com alguns sintomas. O resultado do exame dela está previsto para sair amanhã (31). “Acredito que todos nós aqui em casa estamos com coronavírus. A Giovana está com tosse, dor de garganta, mas ela sempre teve isso”, disse Deanie.

*Matéria editada às 16h07 para correção de informações

 
 

Felpuda


Sindicalista defende o fim de mordomias e privilégios dos políticos e dos integrantes de outros Poderes, conforme divulgação feita por sua assessoria. Para ele, está na hora de se colocar um basta nessa situação, questionando, inclusive, o número de parlamentares e de assessores. Entretanto, não demonstra a mesma aversão por aqueles dirigentes de sindicatos que se perpetuam no poder e que comandam mais de uma entidade, assim como ele. Afinal, o exemplo deve vir de casa, né?