Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

IRREGULARIDADES

Conveniência é autuada por vender produtos vencidos há mais de cinco meses

Cervejas e produtos perecíveis vencidos foram descartados em Sidrolândia
13/02/2019 17:15 - GLAUCEA VACCARI


 

Loja de conveniência e comercialização de pães foi autuada pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon) por vender produtos com o prazo de validade expirado há mais de cinco meses, nessa terça-feira (12), em Sidrolândia.

De acordo com o Procon, denúncia foi feito por meio do Fale Conosco do site do órgão e equipe se deslocou até o município para verificar a situação. 

Fiscais constataram que o alvará de funcionamento e localização do estabelecimento comercial está vencido desde dezembro do ano passado e encontraram ainda vários produtos com a validade vencida expostos para venda, sendo alguns com prazo expirados desde agosto de 2018.

Entre os produtos, havia 24 garrafas de cerveja de marcas diversas, suco de frutas, água de coco, café solúvel, achocolatado, biscoitos, aperitivos de amendoim, croissant e mortadela, que foram descartados. 

Auto de infração foi expedido e a loja notificada a regularizar a situação quanto ao alvará. 

Superintendente do Procon, Marcelo Salomão, orienta que “todo consumidor, mesmo morador de cidades do interior do Estado, que se sentir prejudicado ou que notar irregularidades na comercialização de quaisquer produtos, deve entrar em contato com o órgão estadual que, após verificada a procedência da denúncia, poderá determinar que equipes se dirijam até o local e autuem os responsáveis pelo estabelecimento infrator”.

Felpuda


Político experiente tem repetido que não é o momento de falar em eleições. O momento é de tensão, de incertezas políticas e econômicas – como se o País fosse uma ilha de preocupações cercada pelo coronavírus por todos os lados. Em Mato Grosso do Sul, onde já se registrou morte pela doença e o número de casos só tende a subir, não poderia ser diferente. “É suicídio político para quem ousar falar em eleição neste momento”, conclui. Só!