Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

AUDIÊNCIA PÚBLICA

Contrato da BR-163 é insustentável, diz diretor-presidente da CCR

Empresa propôs renegociação ou rescisão se impasse se manter

28 OUT 19 - 18h:34ADRIEL MATTOS

Em audiência pública realizada nesta segunda-feira (28), na Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul (ALEMS), o diretor-presidente da CCR MSVia, José Márcio Silveira, disse que a concessão da BR-163 se tornou insustentável, o que levou à interrupção da obras de duplicação e ao imbróglio da redução do preço da taxa de pedágio, que é de responsabilidade da Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). “O interesse da CCR é buscar soluções e continuar prestando esse serviço”, defendeu Silveira.

Para sustentar a paralisação do serviço, Silveira e outros diretores da concessionária que administra a rodovia desde 2014 apresentaram o relatório financeiro da CCR, que de abril de 2014 a setembro deste ano, teve despesas de R$ 2,9 bilhões e receitas de R$ 1,2 bilhão. Essas receitas são provenientes da arrecadação do pedágio e das chamadas receitas acessórias. 

A fim de equilibrar as finanças, a empresa usou parte do financiamento junto ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), que nesse caso representa R$ 841 milhões; e aporte de acionistas, de R$ 870 milhões, para manter as operações. O empréstimo, de R$ 2,3 bilhões, não foi integralmente repassado já que uma cláusula do contrato não foi cumprida: de 9 mil veículos/dia, chegou a 5 mil/dia à época da suspensão dos repasses.

O diretor-presidente da CCR MSVia propôs duas alternativas para a concessão. “São dois caminhos: um é a renegociação do contrato, compatibilizando lucros com investimentos, e analisando de tempos em tempos; ou uma rescisão amigável, onde ficamos até uma nova empresa assumir, mas isso não é o que queremos”, explicou.

Um dos proponentes da audiência, o presidente da ALEMS, Paulo Corrêa (PSDB), declarou que irá tomar providências contra a ANTT, que não enviou representante ao evento. “O descaso da ANTT é algo impressionante. É uma agência que não serve para nada. Estamos gastando dinheiro à toa, é um grande ‘cabide de empregos’ do governo federal”, afirmou.

Corrêa criticou a tentativa da agência em reduzir a taxa de pedágio. “Como vai baixar se não cumpriram com o empréstimo?”, questionou. O deputado José Carlos Barbosa, o Barbosinha (DEM), também condenou as ações da ANTT.

“A ausência da ANTT nesta audiência revela o descaso com suas obrigações, em aplicar penalidades, corrigir rumos e fazer parte da discussão”, disse. O parlamentar chegou a levantar a hipótese de ir à Justiça contra o órgão. Já Corrêa defendeu recorrer a bancada parlamentar de Brasília (DF) para resolver o impasse.

HISTÓRICO

Em dezembro de 2013, o governo federal leiloou nove lotes de rodovias para a iniciativa privada. Entre os vários que o grupo CCR venceu, estava o trecho sul-mato-grossense da BR-163. A concessão foi oficialmente realizada em março de 2014.

Pelo cronograma, a concessionária deveria duplicar os 845,4 km da rodovia em quatro anos. Porém, em 2017, a CCR MSVia pediu a revisão do contrato e paralisou as obras de duplicação. À época, cerca de 150 km passaram por obras. Atualmente, é feita apenas manutenção do trecho.

Por conta disso, a ANTT apresentou laudos técnicos que podem reduzir em até 53,94% a tarifa de pedágio cobrada na BR-163. Mas a decisão vem sendo adiada desde abril.

Conforme noticiou o Correio do Estado no sábado (26),  processo da concessionária CCR MSVia só pode ser apreciado no dia 5 de novembro. Mas ainda não há a confirmação que seja nesta data. Até esse dia serão 52 dias, período em que os usuários poderiam pagar menos para usar o serviço.

Ao ser questionada, na semana passada, sobre o porquê da demora na definição dos valores do pedágio, a ANTT informou que “não há como adiantarmos informações sobre reajuste nem sobre a deliberação da diretoria, uma vez que esta depende de avaliação de relatório da área técnica de rodovia da agência. E também não existe obrigatoriedade de o reajuste ser exatamente no dia de aniversário da concessão, mas o reajuste sempre é perto desta data. O resultado dessa deliberação precisa ser publicado no DOU [Diário Oficial da União]”.

Com o risco de caducidade de contrato, a duplicação da BR-163 deve demorar, pelo menos, um ano e meio para ser retomada. Este é o período estimado para trâmite do processo de licitação para que uma nova empresa assuma a administração da rodovia, que atualmente está sob responsabilidade da CCR MSVia.

De 2016 até junho deste ano, a concessionária arrecadou R$ 994,1 milhões com pedágio. Foram R$ 291,8 milhões em 2016; R$ 269,3 milhões em 2017; R$ 293,6 milhões no ano passado; e R$ 139,3 milhões no primeiro semestre deste ano.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Campo Grande está sediando evento religioso nacional de luteranos

Campo Grande está sediando evento religioso nacional de luteranos

De região atingida por queimada no Pantanal, mais de 30% foi consumida pelo fogo
RESCALDO

No Pantanal, mais de 30% de região do Rio Negro foi consumida pelo fogo

Acumulada, Mega-Sena pode deixar alguém R$ 10,5 milhões mais rico hoje
JÁ APOSTOU?

Acumulada, Mega-Sena pode deixar alguém R$ 10,5 milhões mais rico hoje

Veja como usar documentos digitais para embarcar em voos dentro do Brasil
NA PALMA DA MÃO

Veja como usar documentos digitais para embarcar em voos no Brasil

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião