Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, quinta, 15 de novembro de 2018

Famed

Contra sucateamento do curso, acadêmicos de medicina protestam na UFMS

Estudantes reclamam de falta de estrutura e abusos de professores

8 AGO 2017Por GLAUCEA VACCARI18h:32

Acadêmicos de medicina da Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) protestam amanhã contra o que consideram um processo de sucateamento do curso. Eles reivindicam melhor estrutura.

Em carta aberta, estudantes afirmam que o prédio da Faculdade de Medicina (Famed) não atende a atual demanda de alunos, já que houve aumento do número de vagas em 2015. Em algumas aulas, sala fica lotada, com alunos sentados ao lado da mesa do professor.

"O laboratório de anatomia humana está aos pedaços e não recebe corpos novos há uma década. Além disso, seu sistema de ventilação não pode ser utilizado, pois faz muito barulho e atrapalha a aula. Desse modo, durante o verão, as aulas são insuportáveis, seja pelo calor ou pelo forte cheiro de formol", informa o documento.

Novo prédio para abrigar a Famed está construção, mas obra foi parada por falta de recursos há meses.

Outra reclamação é com relação aos atrasos de professores, que às vezes chegam 20 minutos depois do início das aulas, ou simplesmente não comparecer. Estudantes alegam também que há casos de abuso de autoridade.

Ainda na carta, acadêmicos denunciam que no período de internato, que são os dois últimos anos e nos quais os universitários passam grande parte da carga horária dentro do hospital, executam procedimentos que não são designados para a medicina ou precisam “implorar para fazer procedimentos”.

Ofício com todos os problemas relatados teria sido encaminhado para a coordenação há um ano, mas não houve resposta.

Por conta da situação, manifestação será realizada nesta quarta-feira, às 13h, para cobrar da coordenação do curso e da direção da Famed e da reitoria soluções para os problemas.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também