Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

FROTA VELHA

Consórcio só renovará frota <br>se houver reequilíbrio de contrato

Grupo foi contratado por R$ 3,4 bilhões, em 2012, para atuar por 20 anos
23/04/2019 10:00 - LUANA RODRIGUES


 

A renovação da frota do transporte coletivo de Campo Grande depende do reequilíbrio do contrato da prefeitura com o Consórcio Guaicurus. A informação é do diretor-presidente da Agência Municipal de Regulação dos Serviços Públicos (Agereg), Vinícius Leite.

Ontem, o Correio do Estado mostrou que, com 563 ônibus em circulação – 22 a menos que em fevereiro do ano passado –, quase metade dos veículos (42%) estão vencidos. Além disso, a idade média da frota está em 6,97 anos, quando o contrato prevê cinco anos.

“O consórcio entrou com pedido de reequilíbrio econômico-financeiro do contrato. Eles alegam que, enquanto não houver esse reequilíbrio, não há possibilidade de renovar. Eles já entregaram um estudo sobre o pedido, mas eu solicitei um estudo mais aprofundado, mais detalhado, porque o que eles fizeram estava muito superficial, e isso deve levar mais ou menos 30 dias. Só depois deste levantamento, teremos algo”, explicou Leite.

Conforme o diretor-presidente, o pedido de reequilíbrio econômico financeiro é um direito da empresa, previsto em contrato, mas não implicaria num reajuste de tarifa. “Caso o contrato seja reequilibrado, em hipótese alguma vai haver reajuste de tarifa, esse reequilíbrio terá que ser feito de outra forma, que ainda deverá ser definida”, disse.

FROTA 

Dados tabulados pelo Blog Ligados no Transporte, que desde 2014 monitora o transporte coletivo na Capital, mostram que o Consórcio Guaicurus vem descumprindo o contrato firmado com a prefeitura em 25 de outubro de 2012. 

Segundo o contratualizado, os veículos do transporte coletivo não podem ter idade individual superior a oito anos. O documento também indica que a idade média da frota deve ser inferior a cinco anos. No entanto, o levantamento mostra que há 237 ônibus vencidos, entre eles, veículos fabricados em 2007 e 2008, ou seja, que já circulam há 11 e 12 anos. Além disso, cerca de 74 veículos foram fabricados em 2011, que, portanto, deveriam sair de circulação neste ano. A frota ainda conta com 21 veículos fabricados em 2012; 84, em 2013; 26, em 2014; 101, em 2017; e 20 no ano passado.

Os dados indicam ainda que a idade média da frota de ônibus de Campo Grande está em 6,97 anos. Os veículos da empresa Cidade Morena são os mais velhos, com idade média de 7,20 anos. Já a frota da Jaguar apresenta média de 7,01 anos. Os ônibus da São Francisco têm idade média de 6,83 anos e a frota da Viação Campo Grande tem média de 6,67 anos. 

Felpuda


O desgaste de antigas lideranças nacionais, com reflexo em nível local, é a maior preocupação dos dirigentes de partidos para as eleições deste ano, que terá reflexo em 2022. Em épocas passadas, essas figurinhas cruzavam os céus do País para visitarem os municípios e pedirem que a população votasse em seus ungidos. Agora, com pendências judiciais e poder enfraquecido, dificilmente seriam convidadas. A pandemia, que resultou no isolamento social, foi a pá de cal.