Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

NO ESTADO

Comissão analisa inclusão de MS em plano das Forças Armadas

Documento estatístico foi entregue ao governo federal
31/07/2017 21:11 - RODOLFO CÉSAR


 

As Forças Armadas podem incluir Mato Grosso do Sul em plano de ação para tentar aumentar a fiscalização na fronteira do Brasil com o Paraguai e Bolívia. 

O Estado aparece como principal na estatística de apreensão de drogas e é rota do tráfico internacional, tanto de entorpecente como de armas.

O presidente Michel Temer determinou hoje que comissão federal analise a inclusão de MS nesse plano de ação do Exército, Marinha e Aeronáutica. Temer reuniu-se com o governador Reinaldo Azambuja nesta segunda e o assunto foi tratado no encontro.

A comissão é formada por integrantes dos ministérios da Justiça e Segurança Pública e da Defesa e o grupo virá ao Estado nos próximos dias averiguar a situação na fronteira.

“Mais uma vez, o presidente Michel se mostrou sensível à situação de abandono das nossas fronteiras, que estão escancaradas. Ele (presidente) disse que vai mandar uma equipe para Mato Grosso do Sul para avaliar a situação e discutir um plano de ação das Forças Armadas em nosso Estado”, disse Reinaldo Azambuja.

Um estudo estatístico denominado "Importância dos Investimentos em Segurança Pública nas Fronteiras do Brasil com o Paraguai e a Bolívia" foi apresentado ao presidente para reforçar a necessidade de mais investimento na segurança da região.

O documento reforça a necessidade de tropas federais nas regiões fronteiriças para evitar diferentes crimes.

Os ministros Aloysio Nunes (Relações Exteriores), Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Torquato Jardim (Justiça e Segurança Pública) e Sérgio Etchegoyen (Gabinete de Segurança Institucional) também receberam o estudo e participaram da reunião.

Felpuda


É grande a expectativa em torno de qual foi a justificativa de conhecida figura que beneficiou sujeito, e este, aproveitando a, digamos, boa vontade demonstrada, simplesmente “sumiu do mapa”. Órgão nacional pediu explicações para o “benfeitor”, e o prazo já venceu. Como as decisões por lá não ficam escondidas do distinto público, logo, logo, a curiosidade deverá ser contemplada. É esperar para conferir!