SAÚDE

Com sarampo cercando o MS, Capital investiga caso suspeito

Estado faz divisa com São Paulo, Paraná e Goiás, onde foram confirmados 76 casos da doença
22/08/2019 09:27 - ADRIEL MATTOS E NATALIA YAHN


A Secretaria Municipal de Saúde Pública de Campo Grande (Sesau) investiga um caso suspeito de sarampo. De acordo com a superintendente de Vigilância em Saúde, Veruska Lahdo, o paciente é um bebê de 10 meses e passou a ser investigado nesta semana, após a família procurar atendimento médico no Hospital São Lucas.

“O bebê fez uma viagem com a família para São Paulo e voltou passando mal. Ele foi atendido por médicos e já está em casa. Então, fizemos o bloqueio vacinal e estamos investigando”, explicou a superintendente, sem revelar outros detalhes.

Com 1.680 casos confirmados de sarampo no País, o Ministério da Saúde está reforçando as ações de resposta à doença. Em Mato Grosso do Sul, nenhum caso foi confirmado, mas com incidência da doença explodindo em três dos cinco estados vizinhos (São Paulo, Paraná e Goiás), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) ampliou as ações de prevenção.

A partir de hoje, o Ministério expande a vacinação contra a doença, recomendando que todas as crianças de seis meses a menores de 1 ano sejam imunizadas. Antes, apenas crianças com mais de 12 meses tomavam a vacina.

O objetivo é intensificar a imunização desse público-alvo, que é mais suscetível a casos graves da doença e óbitos. A pasta também orientou estados e municípios a realizarem o bloqueio vacinal, em caso de surto ativo. Foi a medida que a SES tomou com relação a um médico de São Paulo, que visitou o Estado neste mês. Pelo menos 90 pessoas que estiveram em contato com ele foram imunizadas, segundo a Direção de Vigilância em Saúde da secretaria.

“Fizemos várias ações e capacitamos os municípios, para coletar amostras e fazer o bloqueio vacinal”, explicou a diretora de Vigilância em Saúde do Estado, Larissa Domingues.

A recomendação para quem for viajar para os estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Bahia, Paraná, Goiás, Maranhão, Rio Grande do Norte, Espírito Santo, Sergipe e Piauí é de estar em dia com as vacinas contra o sarampo. Por recomendação da pediatra, a veterinária Kryssia Ambrozio Beierstorf foi à Unidade Básica de Saúde (UBS) do Bairro Tiradentes para imunizar o filho, Vicente, em razão de viagem que fará ao estado de São Paulo.

“A pediatra orientou para antecipar a dose para que a gente possa viajar com ele imunizado. E ela alertou que há mais casos em São Paulo, mas que não era para entrar em pânico”, explicou Kryssia.

PREOCUPAÇÃO

A preocupação do ministério com o avanço da doença se dá pela possibilidade de perda do certificado de eliminação do sarampo, concedido ao Brasil pela Organização Pan-Americana de Saúde (Opas/OMS), em 2016, como noticiou o Correio do Estado em fevereiro deste ano.

Em Mato Grosso do Sul, segundo a SES, a cobertura vacinal foi de 99,63% em 2018. Bem acima dos 88% de 2017 e dos 96% em 2016. Foram distribuídas 206 mil doses da vacina contra sarampo no ano passado. Na Capital, a cobertura vacinal da doença está em 98,36%, acima da meta estabelecida pelo Ministério da Saúde. 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".