Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 16 de outubro de 2018

DEBATE

Com Santa Casa na mira, audiência
discute financiamento da saúde no Estado

Evento será realizado nesta segunda-feira (13), na Assembleia

11 AGO 2018Por JONES MÁRIO17h:02

O plenário Deputado Júlio Maia, na Assembleia Legislativa, recebe nesta segunda-feira (13) uma audiência pública para discutir o financiamento à saúde em Mato Grosso do Sul e o Sistema Único de Saúde (SUS). O evento é aberto ao público e começa às 8h30min.

O orçamento do principal hospital do Estado, a Santa Casa de Campo Grande, deve ser um dos assuntos em pauta durante a audiência.

Atualmente, em torno de R$ 20 milhões em recursos do SUS – que envia R$ 15 milhões –, da prefeitura (R$ 3.317.000,00) e do governo do Estado (R$ 1.820.000,00) são utilizados pelo hospital para todas as despesas operacionais mensais, inclusive pagamento de funcionários.

Assim, o repasse anual ao utrapassa os R$ 240 milhões.

Estado e prefeitura ainda aportam, cada um, R$ 750 mil (R$ 1,5 milhão, no total) para ajudar a Santa Cada no pagamento de empréstimo contraído com a Caixa Econômica Federal (CEF), em 2014.

A audiência pública foi proposta pela Comissão Permanente de Saúde da Casa de Leis. Na avaliação do deputado Paulo Siufi (MDB), presidente da comissão, faltam recursos e gestão eficiente na saúde pública do Estado.

INVESTIGAÇÕES

A Santa Casa é alvo de uma série de investigações do Ministério Público Federal (MPF). A última delas começou em abril, com um inquérito civil para apurar suposta falta de transparência do hospital com relação ao uso de recursos do SUS.

Já em março do ano passado, o MPF abriu investigação sobre o recebimento de verbas por parte do hospital para leitos que não foram efetivamente ocupados por pacientes.

Em novembro de 2017, o mesmo órgão passou a apurar a compra de equipamentos e mobiliários para atender a Unidade de Trauma, administrada pelo hospital.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também