Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

Conflito

Governo aguarda pedido de Azambuja para enviar Exército à região de conflito

Senador Moka intermediou contato do governador com o ministro da Justiça

27 AGO 15 - 17h:49GABRIEL MAYMONE E GLAUCEA VACCARI

O Governo Federal está disposto a autorizar a ida do Exército para a região de Antonio João (MS) – distante 402 km da Capital – garantir que não haja conflito entre produtores rurais e indígenas. A liberação depende de solicitação do governador Reinaldo Azambuja.

A informação é do senador Waldemir Moka (PMDB), que intermediou contato do ministro da Justiça, Eduardo Cardozo com Azambuja.

A situação ficou tensa depois de uma série de invasões promovidas pelos índios esta semana – 9 propriedades foram invadidas. “Se não houver ação imediata, o risco de ocorrer enfrentamento é grande”, afirmou Moka.

O senador teme o enfrentamento porque produtores rurais e índios estão irredutíveis. No Senado, Moka afirmou que os índios ocuparam um distrito de Antônio João, expulsando os moradores, com o argumento de aquelas seriam terras indígenas. A área, entretanto, seria produtiva e estaria nas mãos de famílias de agricultores há mais de 50 anos.

No início da noite, Moka recebeu a informação de que, caso o governador Reinaldo solicite, o Governo federal vai autorizar a ida do Exército à região para garantir a segurança de ambos os lados. “Temos que fazer algo”, avisou ao ministro da Justiça e ao vice-presidente.

O senador disse que, caso ocorra confronto, haverá perda de vidas. “São brancos e não brancos. É a nossa gente, é a minha gente. Eu fico realmente sensibilizado”, declarou.

Moka pediu ainda a aprovação no Senado da PEC 71/2011, que assegura indenizações por benfeitorias e pela terra nua aos donos de terra que sejam consideradas reservas indígenas. Ele acredita que a proposta poderia ajudar a resolver os conflitos em seu estado.

CLIMA TENSO

Com as invasões indígenas a nove propriedades rurais de Antônio João, distante 402 quilômetros de Campo Grande, o prefeito do município, Selso Lozada (PT) informou ao Portal Correio do Estado que elaborou um decreto de situação de instabilidade.

Os indígenas promoveram uma onda de invasões na terça-feira (25) e quarta-feira (26). De acordo com Lozada, nove propriedades rurais estão ocupadas pelos indígenas, além do distrito de Campestre, de onde famílias foram expulsas de suas casas. Nesta quarta-feira, proprietários rurais bloquearam a rodovia que dá acesso as fazendas como forma de protesto. O trecho foi desbloqueado durante a noite.

“Continua uma situação delicada, mas ontem a situação estava pior. As famílias estão sendo obrigadas a sair das residências e abandonar seus pertences. O clima está tenso e estamos acompanhando tudo para tentar evitar mais conflitos”, disse o prefeito.

TERROR

Conforme a advogada Luana Ruiz, os indígenas atearam fogo nas propriedades. “É possível avistar fumaça, sabe-se que colocaram fogo, mas não dá para saber se é na sede ou no pasto”, informou, acrescentando que além da Funai, foram acionados o Ministério Público, Exército, Polícia Federal, Polícia do estado e Ministério da Justiça.

Lozada disse ao Portal Correio do Estado que equipes do Departamento de Operações da Fronteira (DOF) e a Polícia Militar (PM) estão de prontidão acompanhando a situação para evitar possíveis conflitos, mas não há diálogo entre indígenas e produtores.

Nesta sexta-feira (28), uma reunião será realizada na Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul com lideranças rurais e políticas para discutir os impactos da insegurança jurídica no campo.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Programa para jovens de Campo Grande é vencedor de prêmio nacional
LEVANTA JUVENTUDE

Programa para jovens de Campo Grande é vencedor de prêmio nacional

Após erro, prefeitura vai oficializar via lei prazo maior para lei de transporte por aplicativo
REVIRAVOLTA

Após erro, prefeito vai oficializar via lei prazo maior para lei de transporte por aplicativo

Prefeito veta projeto que obrigava espaço para venda de cerveja artesanal em eventos públicos
CAMPO GRANDE

Prefeito veta projeto que obrigava espaço para venda de cerveja artesanal em eventos públicos

Decreto é publicado e tarifa de ônibus volta a R$ 4,10 amanhã
TRANSPORTE COLETIVO

Decreto é publicado e tarifa de ônibus volta a R$ 4,10 amanhã

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião