Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

REVIVA CENTRO

Com obras avançadas, desafio
é mudar o perfil da Rua 14 de Julho

Comerciantes e cidadãos querem ações além estética

1 JUL 19 - 09h:00EDUARDO MIRANDA E NATALIA YAHN

Com 70% das obras de revitalização da Rua 14 de Julho concluídas e inauguração prevista para para novembro, um novo – e talvez o mais difícil – desafio do plano de transformação do Centro de Campo Grande está lançado: garantir que a projeto cumpra seu objetivo e que vá muito além de uma mera “cara nova” da via mais importante e tradicional do comércio da Capital.

É justamente este setor que deverá abrir espaço para outros segmentos, como serviços e alimentação, e fazer com que o Reviva Centro faça jus ao nome. 

“Não há nenhuma revitalização no mundo que tenha se sustentado de pé com os usos de categoria econômicos, culturais e sociais existentes antes de começar as obras”, explica o arquiteto, urbanista e professor universitário Ângelo Arruda.

Para o especialista, a transformação de uma região urbana deve ir muito além de uma reforma das estruturas – que, segundo ele, também é necessária por ser o ponto de partida –, mas deve vir acompanhado de uma alteração da rotina de todo o entorno. “O projeto de mudança deve envolver o uso do solo, economia, meio ambiente e infraestrutura urbana. É um conjunto”, complementa.

O arquiteto lembra que agora é preciso pensar em soluções para ocupar a Rua 14 de Julho e entorno fora do horário comercial. “Deve-se ajustar incentivos a novas categorias de uso do solo, que não são apenas as que já estão lá, exclusivamente comerciais”, analisa. Arruda está falando de outros setores: educação (escolas, cursinhos e universidades), lazer e entretenimento (bares, restaurantes, museus e outras opções culturais e gastronômicas). 

Atualmente, a maior parte do movimento da Rua 14 de Julho se concentra entre as 8h e 19h, horário de atividade comercial. “Mudar essa rotina deve ser a primeira discussão, que já deveria estar sendo feita”, afirma o arquiteto.

“Quem sabe pegar um trecho menos movimentado da via e incentivar atividades que possam ser usadas durante 24 horas, trazendo o público boêmio, ou estudantes; o público noturno, que manteria atividades fora do horário comercial", acrescenta.

Arruda lembra que em outras cidades que passaram por revitalização, como Curitiba (PR) e até mesmo Buenos Aires, na Argentina, outras atividades foram levadas para as regiões que passaram por obras para complementar o processo de transformação, que vai além da estrutura e paisagismo.

ENTORNO

Alguns comerciantes, já manifestam preocupação com o que virá depois. Eles já pensam nas vias paralelas. O município promete colocar asfalto novo no entorno, em ruas como 13 de Maio, Calógeras, Dom Aquino, Antônio Maria Coelho, 15 de Novembro e Mato Grosso. Não há, porém – pelo menos não foi informado se há –, perspectiva de algum tipo de revitalização, ainda que não tão radical como a da 14 de Julho, para estas e outras vias da região.   

“Não sei como vai ser depois, se já vão fazer estes recapeamentos. Nunca mais falaram nada, mas o  projeto contemplava, sim, o recapeamento das transversais desde a Calógeras até a Pedro Celestino”, disse o empresário Nilson Carvalho Vieira, 60 anos. Ele é dono de uma ótica localizada na esquina com a Rua 15 de Novembro, comércio que funciona no mesmo local há 30 anos. 

O arquiteto Ângelo Arruda também tem opinião similar à do comerciante. “A Rua 14 de Julho não se sustenta sozinha, ela integra um sistema. As outras ruas, e a Avenida Afonso Pena, também têm de receber medidas, porque são elas que vão auxiliar na manutenção deste novo status pretendido para a 14”, comenta. 

DEGUSTAÇÃO

Na quadra entre a Avenida Fernando Corrêa e a Rua 26 de Agosto, uma pequena “degustação” – como é chamada pelos comerciantes – de como ficará a via após o término foi disponibilizada. O local recebeu os postes de iluminação e os equipamentos.

“Está passando carro normal, só as vagas diminuíram, mas isso já era esperado. Tem que tirar postes e colocar outros. Fizeram um pedacinho pra vermos como vai ficar, mas ainda faltam bancos, jardinagem. O que fizeram ficou bonitinho”, disse Vieira.


O paisagismo prevê ainda a instalação de árvores adultas, com 5 metros de altura, e também o corte dos postes. “Não sei como vai iluminar o que ficou pronto, é uma luz muito fraquinha. E sobre a manutenção não nos passaram nada. Campo Grande não tem cultura de cuidar. Os vândalos destroem tudo”.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Escola do Estado recebida pela prefeitura será de tempo integral
EDUCAÇÃO

Escola do Estado recebida pela prefeitura será de tempo integral

INFRAESTRUTURA

Estrada que liga Bonito à Serra da Bodoquena ganhará asfalto

A obra custará R$ 6.095.389,93 e deverá ser conclluída em quatro meses
Prefeitura contrata nova empresa para vistoriar transporte coletivo
EDITAL

Prefeitura contrata nova empresa para vistoriar transporte coletivo

Juiz Odilon desiste do plano de disputar eleição municipal
APOSENTADO

Juiz Odilon desiste do plano de disputar eleição municipal

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião