Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Assine a Newsletter

R$ 45 MILHÕES

Com empréstimo, prefeitura quer asfaltar e fazer parque

Recurso foi obtido com a Caixa após projeto de R$ 30 milhões não progredir no BNDES

13 DEZ 19 - 10h:00ADRIEL MATTOS

Quatro bairros da região sudoeste de Campo Grande deverão receber obras de drenagem e pavimentação em 2020. A prefeitura também deve construir um parque público no Jardim Noroeste.

Para isso, a administração do município vai contratar empréstimo no valor de R$ 45 milhões com a Caixa Econômica Federal (CEF), na linha Financiamento à Infraestrutura e ao Saneamento (Finisa). O município havia solicitado recursos ao Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), mas não obteve resposta.

“Estávamos em negociação, mas percebemos que, com a mudança de gestão, o projeto parou”, explicou o titular da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços Públicos (Sisep), Rudi Fiorese, referindo-se à demissão de Joaquim Levy e à posse de Gustavo Montezano no BNDES, em junho deste ano.

O projeto de lei para autorizar a prefeitura a contratar o empréstimo chegou na quarta-feira (11) à Câmara Municipal. Segundo o texto, os recursos serão investidos em drenagem e pavimentação dos bairros Rita Vieira, Vilas Boas, Parque Dallas, Oliveira I e III, além do parque no Jardim Noroeste.

“No Rita Vieira, temos uma declividade, o que faz com as chuvas levem barro dessa região para a Avenida Interlagos. Todos esses bairros foram escolhidos por serem bastante populosos”, justificou Fiorese.

O secretário explicou que o parque do Jardim Noroeste será implantado no local onde havia um aterro sanitário para descarte de resíduos da construção, interditado desde 2016. A área vai ser recuperada para se tornar um parque.

HISTÓRICO

Desde 2018 a prefeitura tenta obter recursos federais para essas obras na região sudoeste. O prefeito Marcos Trad (PSD) viajou para Brasília (DF) para tentar obter recursos, desta vez, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).  Em fevereiro daquele ano, o Correio do Estado noticiou que o município pediu empréstimo de R$ 286 milhões para requalificação e drenagem de quase 500 quilômetros de vias pavimentadas na Capital. Na época, a cidade tinha 2,8 mil quilômetros de ruas pavimentadas e outros 1,5 mil sem pavimentação. Na ocasião, também foi pedido empréstimo de R$ 300 milhões para execução de outras obras. O prazo dado para o repasse dos recursos era de até oito meses.

Trad criticou na época a burocracia para obter esses empréstimos. “As legislações no Brasil foram feitas para não caminhar. É impressionante os entraves e a forma burocrática que o Executivo enfrenta. Nós estamos esperando a liberação. Tudo que você vai fazer tem que ter dinheiro. O caixa apenas da prefeitura não é o suficiente para esse grande volume de obras que nós desejamos”, explicou.

Porém, a instituição aprovou uma operação de crédito de apenas R$ 30 milhões, 10% dos R$ 300 milhões pedidos, conforme noticiou o Correio do Estado em março deste ano.

Na época, o titular da Secretaria Municipal de Finanças e Planejamento (Sefin), Pedro Pedrossian Neto, explicou que, como o banco não havia feito nenhum acordo anterior com o Executivo Municipal, não foi possível obter o valor total pleiteado. “[O valor] é muito abaixo do que queríamos. É uma primeira fase. Depois a gente vai encaminhar com novos pedidos. A ideia é ir aumentando gradativamente”, disse.

Por fim, a prefeitura acabou conseguindo contratar empréstimo, e a Câmara aprovou a autorização para a operação de crédito em outubro deste ano. Como o município não conseguiu captar esses recursos do BNDES, acabou recorrendo à Caixa.

No dia 3 deste mês, a Câmara aprovou em regime de urgência o projeto que autoriza a prefeitura a contratar empréstimo de R$ 96,1 milhões para obras nos corredores norte e sul do transporte coletivo. Em setembro, a Caixa Econômica Federal (CEF) já havia aprovado o projeto do município.

VALORIZAÇÃO ESTAGNADA

A falta de pavimentação fez com que a valorização de terrenos do Bairro Rita Vieira e outros da região se estagnasse. Entre 2014 e 2018, o preço do metro quadrado chegou a R$ 250. Nas áreas onde já há asfalto no Rita Vieira, o valor do metro quadrado variou de R$ 360 a R$ 400 no ano passado.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Critério é diferente para alvará de hospitais, dizem bombeiros
PERIGO

Critério é diferente para alvará de hospitais, dizem bombeiros

Fechado desde 2016, aterro interditado vai virar parque no Noroeste
CAMPO GRANDE

Fechado desde 2016, aterro interditado vai virar parque no Noroeste

Polícia investiga 29 casos de síndrome nefroneural em Minas Gerais
CERVEJA CONTAMINADA

Polícia investiga 29 casos de síndrome nefroneural em Minas Gerais

Nos pênaltis, Inter vence o Grêmio no Pacaembu e conquista a Copa São Paulo
COPA SP

Nos pênaltis, Inter vence o Grêmio no Pacaembu e conquista a Copa São Paulo

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião