CASO CARLOS DANIEL

Com aulas suspensas, Secretaria busca aumentar segurança em escola

Estudante foi morto dentro de sala da aula
08/08/2019 17:17 - FÁBIO ORUÊ


 

Após a morte de Carlos Daniel Maldonado Pires, de 19 anos, na Escola Municipal Luiz de Albuquerque de Melo Pereira de Cáceres, no distrito de Albuquerque, em Corumbá, a Secretaria de Educação da cidade procura aumentar a segurança na unidade. 

Conforme a subsecretária municipal de educação, Maria do Carmo Provenzano de Arruda Brum, apesar de acreditar que o caso Carlos Daniel seja um fato pontual, a segurança dos outros alunos também deve ser considerada. 

“Esse caso não teve como ser evitado, mas provavelmente amanhã a tarde nós conversaremos com o chefe de segurança da Guarda Municipal para ver se tem a necessidade e as possibilidades de aumentar as rondas e o número de guardas na escola”, disse ela ao Correio do Estado.

As aulas na unidade foram suspensas até segunda-feira (12) por conta da gravidade do caso. Maldonado foi morto com um tiro na cabeça enquanto estava dentro da sala de aula. No momento do disparo, um guarda municipal fazia a segurança da escola e não há câmeras de vigilância. 

De acordo com Brum, primeiramente o foco está na saúde emocional dos familiares e alunos da escola. “Nós estamos acionando um psicólogo para ir até a escola para conversar e orientar os alunos. Foi realmente uma tragédia; os alunos estavam todos dentro da sala e presenciaram; E nesse momento nós estamos acompanhando o caso e a família do aluno”, contou. 

Em nota, a Secretaria, de responsabilidade do prefeito Marcelo Iunes (PSDB), disse que "o fato foi lamentável e, infelizmente, trata-se de uma reflexo dos problemas sociais existentes na região."

A Pasta entende que "a escola é um espaço para educação dos jovens e que, infelizmente, fatos como esses comprometem os trabalhos que são feitos para garantir um futuro melhor para nossa sociedade" e que "está fornecendo todos os dados e dispositivos para ajudar no trabalho de investigação da Polícia e elucidar o crime."

O CASO

O homicídio de Carlos Daniel aconteceu por volta das 21h30 de quarta-feira (7), quando o estudante foi atingido do lado direito da cabeça. Ao verem o colega caído, os colegas de sala pensaram se tratar de uma brincadeira entre alunos, vindo somente a verificar a gravidade do ocorrido quando observaram o sangramento saindo do ferimento da vítima. Foi prestado socorro, mas o rapaz já estava morto. 

Segundo a Polícia Militar, o tiro foi disparado do lado de fora da escola e passou pela janela. O caso é investigado pela Polícia Civil da cidade.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".