Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

SOLIDARIEDADE

Com ajuda de militar, refugiados venezuelanos tentam recomeçar a vida em Campo Grande

Imigrantes já trabalham e querem trazer familiares que ficaram na terra natal

9 NOV 19 - 18h:00FÁBIO ORUÊ, com assessoria

Grupo de ajuda humanitária em Campo Grande auxilia famílias venezuelanas trazidas de Pacaraima (RR) – local onde se concentra grande parte dos refugiados do país Andino e serve de base para a Operação Acolhida, desencadeada em março de 2018 pelo Ministério da Defesa. As cinco famílias que estão na Capital estavam no acampamento da missão, onde conheceram o Coronel Antônio Vamilton Lopes, que era coordenador geral da equipe e deveria permanecer na cidade durante três meses, porém, Vamilton se sensibilizou com a situação e acabou dobrando seu tempo de serviço no local – prestando apoio, então, por seis meses.

“Famílias venezuelanas morrem na Venezuela e nascem no Brasil”, disse Lopes, que ajudou a trazer as primeiras 16 pessoas, com quem havia criado laços afetivos, para Mato Grosso do Sul. Ao chegar em Campo Grande, em julho deste ano, o militar mandou mensagem em um grupo de WhatsApp pedindo doações para os recém-chegados e assim o apoio foi chegando de forma rápida e instantânea. Uns doaram móveis, outros alimentos, roupas e serviços em uma grande mobilização de alguns campo-grandenses. “Bastou jogar no grupo de pais do colégio militar [...] Foi muito rápido; muita gente ajudando”, contou. 

Crianças já estão estudando - Foto: Divulgação

Passados quatro meses morando em Campo Grande, os próprios venezuelanos já se mantêm com as contas e mantimentos da casa. Muitos deles já estão trabalhando e ganhando o próprio dinheiro; e as crianças estão matriculadas na escola. Apesar de estarem começando a caminhar em uma nova terra com seus próprios pés, as doações são sempre bem-vindas. Proteínas como carne, frango, ovos e leite, além de produtos de limpeza são itens que eles sempre estão precisando. Mais informações, tratar com o coronel Antônio Vamilton no número (67) 9 9279-2583. 

A crise socioeconômica e política que afeta a Venezuela há vários anos já trouxe milhares de venezuelanos para o Brasil em busca de melhores oportunidades. Somente em Mato Grosso do Sul, mais de mil pessoas foram interiorizadas desde 2017.

OPERAÇÃO ACOLHIDA

A Operação Acolhida é conjunta – composta por representantes da Marinha, Exército e Força Aérea – interagências – com representantes de diversos ministérios do governo federal – e de natureza humanitária – reunindo diferentes organizações não governamentais, agências civis, secretarias estaduais e municipais, Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados, entre outros órgãos.

A Força-Tarefa Logística Humanitária tem a função de cooperar com os governos federal, estadual e municipal, realizando as medidas de assistência emergencial para acolhimento dos imigrantes que se enquadram nas normas legais. Desta forma, visa recepcionar, identificar, triar, imunizar, abrigar e interiorizar os cidadãos venezuelanos. 

CRISE VENEZUELANA 

A forte dependência da economia venezuelana por petróleo levou o país ao caos. Com os lucros desse comércio, o então presidente Hugo Chávez conseguiu melhorar as condições de vida da população, como apontou entidades como a Organização dos Estados Americanos (OEA) e a Organização das Nações Unidas (ONU).

Porém, algumas medidas econômicas se mostraram insustentáveis, com o excesso de gastos e a corrupção, a Venezuela mergulhou em uma forte crise. Para completar, Chávez morreu em 2013 e seu sucessor, o então vice-presidente Nicolás Maduro, deu continuidade às suas políticas.

 

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Nota premiada e Refis do TCE <br> foram aprovados em comissão
ASSEMBLEIA LEGISLATIVA

Nota premiada e Refis do TCE
foram aprovados em comissão

Escola que atende indígenas será fechada para ser sede da Fundesporte
EDUCAÇÃO

Escola que atende indígenas será fechada para ser sede da Fundesporte

Orçamento de R$ 15,8 bilhões é aprovado em primeira votação
LOA 2020

Orçamento de R$ 15,8 bilhões é aprovado em primeira votação

No Cepol, adolescentes infratores não vão se misturar com suspeitos adultos
NOVA 'DEPAC PIRATININGA'

Jovens infratores não vão se misturar com adultos no Cepol

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião