SEM FUNCIONÁRIOS

Com administrativo em greve, alunos <br>e pais preenchem “vaga” de grevistas

Setor não entrou em consenso com o Governo do Estado
22/05/2019 18:00 - FÁBIO ORUÊ


 

Após 90% do efetivo administrativo das escolas de Mato Grosso do Sul aderirem à greve por conta de impasse sobre reajuste salarial com o Governo do Estado, na segunda-feira (20), as unidades escolares tentam se adaptar as consequências do movimento.

Em diversas escolas do Estado, conforme a Federação dos Trabalhadores em Educação (Fetems), alunos, pais, professores e outros funcionários das comunidades escolares estão fazendo o serviço dos grevistas, a pedido dos diretores, para não paralisar as aulas.

Como na Escola Estadual Silvio Ferreira, em Coxim, onde os contratados para fazer a merenda agora ajudam na limpeza e vice-versa. A Fetems informou que, no dia de início da greve, muitas escolas já estavam fechando devido à falta pessoal para fazer a merenda.

Procurada pelo Correio do Estado, a Secretaria de Estado de Educação (SED), não respondeu os questionamentos até a publicação desta matéria.

GREVE

A decisão do movimento é decorrente do não entendimento às reivindicações solicitadas junto ao Governo do Estado, entre elas: incorporação do abono salarial, política salarial para os próximos anos, manutenção da jornada de seis horas e convocação do concurso público para o grupo administrativo.

Mesmo com decisão do desembargador Luiz Tadeu Barbosa Silva, do Tribunal de Justiça do Estado (TJMS), que determinou que dois terços (⅔) dos servidores estaduais têm que trabalhar durante a parada das atividades dos administrativos da educação, cerca de 90% da categoria aderiu à greve.

Conforme informações do presidente da Fetems, Jaime Teixeira, a federação não recebeu a notificação da decisão, que foi deferida no sábado (18). Com isso, em Campo Grande, aproximadamente 90% do administrativo está parado e no Estado a adesão também é grande, segundo Teixeira.

“A Fetems ainda não foi notificada, o que pode ocorrer nas próximas horas. Depois de notificados vão analisar o parecer jurídico para avaliarmos o impacto e decidir os próximos encaminhamentos. O salário base atual de um servidor estadual Administrativo em Educação é de R$ 854, mais o abono de R$ 200. Queremos a Incorporação do Abono no salário e uma política de reajustes. Não podemos mais ter um salário abaixo do salário mínimo”, disse.

 

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".