Especial Coronavírus (COVID-19) - Leia notícias e saiba tudo sobre o assunto. Clique aqui.

CARNAVAL 2018

Chuva volta a incomodar desfile <br>das escolas de samba da Capital

Bicampeã, Vila Carvalho luta forte por mais uma conquista
18/02/2018 02:17 - RAFAEL RIBEIRO


 

Motivo do adiamento do desfile das escolas de samba da última terça-feira (13) para este sábado (17), a chuva voltou a dar as caras para tentar atrapalhar o Carnaval de Campo Grande. Mas desta vez as agremiações superaram os problemas.

Previsto para começar às 20h, os desfiles só se iniciaram pouco mais de uma hora depois. A chuva fez a sua vítima. A Unidos do São Francisco alegou problemas por conta das condições climáticas. Alguns dos integrantes não conseguiram chegar a tempo e alegorias não tinham como serem montadas. 

Em comum acordo entre todos os presidentes e a Liga das Entidades Carnavalescas de Campo Grande (Lienca), a agremiação foi autorizada a desfilar por último.

"Foi até melhor para a escola", disse o presidente Ale Mahmud Tlaes. Por volta das 1h20, quando a escola apresentou seu enredo 'Comitiva Pantaneira', encontrou as arquibancadas vazias e uma garoa constante.
Se nada mudou pelo lado da São Francisco, também não houve problema por conta das alterações para a Igrejinha, que assim abriu, de certa forma oficialmente, o desfile.

"Era a coisa mais justa a se fazer. O Carnaval da cidade ganha com essas atitudes, ninguém perde. Estávamos com tudo preparado", disse a presidente da Igrejinha, Mariza Fontoura Ocampos.

Companheirismo que faltou à Deixa Falar na terça, quando foi o único voto favorável à manutenção dos desfiles. Como se fosse uma provocação, o período de maior intensidade da chuva foi justamente na apresentação dos rubro-verdes.

"Mostramos que estávamos pronto com chuva ou sem", disse o presidente da Deixa Falar, Salvador Dódero, que lamentou a presença de pouco público na Praça do Papa. "Prejudica o entusiasmo do povo." Guarda Civil Municipal e Polícia Militar não tinham um balanço de público até a publicação desta reportagem.

O público, apesar de baixo, se virou como pode para superar a chuva. Um grupo levou uma lona às arquibancadas da passarela e improvisou um setor coberto. Outros se abrigaram como podoam debaixo das tubulares.

"Deveriam fazer setores cobertos. A estrutura é ruim, deveria ser melhorada. Mas mesmo assim temos de vir, prestigiar nossa folia", disse o montador Marcos Antônio, 36 anos, que mora no Jardim Nova Campo Grande e foi acompanhado das filhas, de 8 e 7, e o sobrinho, de 2.

O DESFILE

Atual campeã, a Vila Carvalha saiu da Praça do Papa como a principal favorita. Bateria alinhada, alegorias condizentes com o enredo, que tratou sobre as lendas de Mato Grosso do Sul, e, principalmente, harmonia perfeita entre as alas e também dos integrantes, que cantaram o samba-enredo com força. Destaque também foram os carros alegóricos, alguns com quase cinco metros de altura.

"Não existe favorismo. Existe trabalho e emprenho da comunidade", disse o presidente da agremiação, José Carlos de Carvalho.

A qualidade da Vila Carvalho não foi algo exclusivo. A Deixa Falar apresentou um Carnaval luxuoso para homenagear o fotógrafo Rodrigo Higa, expoente do jornalismo local.

"Não sou um cara de me emocionar fácil, mas hoje não tinha como. É uma sensação única todo mundo te acenando. Passou um filme desde antigamente", disse o fotojornalista.

Homenageando Aquidauana, a Catedráticos do Samba também veio com alegorias bem definidas e carros chamativos, usando luz de led. Um deles, que homenageia a igreja principal da cidade, teve a Miss Mato Grosso do Sul, Isabela Cavalcante, aquidauaneense, como destaque.

A execução perfeita da proposta levou o carnavalesco da escola, Paulo Mathias, às lágrimas com poucos minutos de desfile. "Não tem como se emocionarem ver o trabalho realizado", disse a presidente dos alvinegros, Marilene Pereira de Barros.

A Igrejinha, que cantou sobre o samba nos 40 anos do Estado, teve sua bateria alinhada e a coreografia da comissão de frente as armas para tentar voltar ao título.

Segundo representantes da Lienca, nenhuma escola sofreu punição por atraso. A apuração que apontará a escola campeã, a rebaixada e a promovida do Grupo de Acesso será nesta tarde, às 17h, na arena do Horto Florestal.

Felpuda


Figurinha começou a respirar aliviada, embora ainda esteja na corda bamba. Isso porque mudou de mãos o processo cuja sentença poderá mandá-la para casa definitivamente. Assim, pela “jurisprudência” com a qual o “analista” é conhecido, pode ser que o resultado seja bastante favorável, permitindo que a então desesperada pessoa continue com o assento em Brasília. Vamos ver!