BARBÁRIE

Casal é morto a facadas com requintes de crueldade em aldeia

Mulher teria sido estuprada antes de ter rosto comido por cachorros
07/06/2019 09:19 - RAFAEL RIBEIRO


 

Osvaldo Ferreira, 38 anos, e Rosilene Rosa Pedro, 34, foram encontrados mortos dentro de casa, na Aldeia Bororó em Dourados, no início da manhã desta sexta-feira (7). O duplo homicídio provavelmente ocorreu na madrugada. Vários sinais de crueldade foram encontrados no local. O crime foi comunicado pelo filho das vítimas, uma criança, na escola onde estuda.

As vítimas foram assassinadas a golpes de facão e, segundo a polícia local, a mulher está amarrada e com sinais de ter sido estuprada antes da barbárie. 

Segundo o portal 'Dourados Agora', o corpo do homem foi encontrado na sala com várias marcas de facada no rosto e peito.

A mulher foi encontrada nua, com mãos amarradas e sinais de cinco facadas. Além disso, a polícia suspeita que ela foi vítima de violência sexual. Seu rosto da mulher estava desfigurado devido a mordidas de cachorros.

Quem comunicou o crime foi uma criança, filho do casal, que chegou na escola e disse à professora que o pai estava morto, e então a profissional acionou a polícia.

A Polícia Civil está no local neste momento. O lugar fica próximo a um bar conhecido nas redondezas. 

Até a publicação desta reportagem não há identificação ou qualquer informação sobre os autores. O caso ainda seria registrado na delegacia. 

Arma usad no crime foi deixada no local (Cido Costa/Dourados Agora)
smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".