INVESTIGAÇÃO

Casal de empresários é encontrado <br>morto a tiros em quintal de residência

Principal suspeita da polícia é de homicídio seguido de suicídio
17/07/2017 12:15 - VÂNYA SANTOS


 

O empresário Maurício Fátimo da Silva, de 55 anos, e a ex-esposa Angelita Félix da Silva, de 48, foram encontrados mortos ontem, pelo filho do casal. Crime aconteceu no quintal da residência da mulher, localizada na Rua D, Bairro Esperança, em Chapadão do Sul. Eles eram donos de um supermercado na cidade.

Delegado de Costa Rica, que apura o caso, Alexandro Mendes de Araújo, explicou que o casal estava separado há algum tempo e a mulher tinha medida protetiva contra o ex-marido.

Autoridade policial destacou que a situação ainda está sendo apurada e não é possível descartar outras linhas de investigação. Todavia, a hipótese mais provável é a de que Maurício tenha atirado contra a mulher e, em seguida, cometido suicídio.

“Tendo em vista o cenário encontrado, bem como o estado dos corpos e entrevista com peritos e médico-legista, a hipótese mais provável seria de homicídio seguido de suicídio, motivado por inconformismo do homem com o rompimento do relacionamento”, explicou o delegado Alexandro.

Testemunhas relataram para a polícia que o casal estava separado e morava em imóveis diferentes, mas na mesma rua. Os corpos foram encontrados pelo filho do casal, que mora nos fundos da casa da mãe e, na ocasião, seguia para trabalhar no supermercado da família, que fica nas proximidades.

Ao se deparar com os corpos dos pais abraçados, ele acionou a polícia. Revólver calibre .38, com três munições deflagradas e três intactas, foi apreendido.

smaple image

Fique por dentro

Fique sempre bem informado com as notícias mais importantes do MS, do Brasil e do mundo, direto no seu e-mail.

Quero Receber

Felpuda


Princípio de "rebelião" política no interior de MS, fomentada por grupo interessado em tomar o poder, não prosperou. Quem deveria assumir o "comando da refrega", descobriu que, além da matemática ser ciência exata, há "prova dos nove". Explica-se: é segunda suplente, pois não conseguiu votos necessários nas últimas eleições, mas assumiu o cargo porque a titular licenciou-se, assim como o primeiro suplente. Caso contrarie a cúpula, seria aplicada a tal prova e, assim, "noves fora, nada".