Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 16 de novembro de 2018

Bombeiros

Vela acesa pode ser causa de
incêndio em residência na Capital

No local havia material inflamável, como papelão, plástico e vela

25 JUL 2017Por VÂNYA SANTOS E BÁRBARA CAVALCANTI10h:18

Incêndio em residência localizada na Rua Antônio Abdo, no Bairro Taveirópolis, em Campo Grande, mobilizou equipes do Corpo de Bombeiros hoje de manhã. A suspeita é de que o fogo tenha sido provocado por homem portador de deficiência mental.

Tenente do Corpo de Bombeiros, Ivan Teixeira, explicou que são duas casas no mesmo terreno, sendo que o incêndio atingiu o imóvel da frente. Na casa, havia muito material inflamável, tais como papelão e plástico, além de vela. Militares controlaram as chamas e ninguém ficou ferido.

São dois irmãos, sendo que cada um mora em um imóvel e os dois têm a mesma deficiência, no entanto, um é mais calmo e toma os remédios de forma regular. Já o outro, consome bebida alcoólica e é mais agressivo.

Quando chegaram no local, bombeiros se depararam com um dos irmãos que tentou impedir o trabalho dos socorristas. O homem precisou ser contido por militares. O outro irmão não estava em nenhum dos imóveis.

Comerciante Lorisvaldo Alves Ribeiro, de 63 anos, é amigos dos irmãos e sempre passa no local para dar apoio aos dois. “Eles gostam de acender vela e de levar tudo que acham na rua para dentro de casa”, comentou.

Já a vizinha Eva Iris Garcia, 43 anos, contou que eles já causaram vários outros problemas, como jogar pedras nas pessoas e andar armados com faca. Ela disse ainda que os irmãos têm laudo atestando que são deficientes e que vizinhos já tentaram, mas nunca conseguiram encaminhá-los para tratamento em unidade de saúde especializada.

 
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado
  • Valdenir Rezende / Correio do Estado
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também