Campo Grande - MS, sábado, 18 de agosto de 2018

118 anos

Veja quais são os ingredientes
para gerar oportunidade

Allan começou a vender balas, perseverou e conseguiu montar sua loja

26 AGO 2017Por Thaís Malta, colaboração para o Correio do Estado10h:30

Já faz algum tempo que no Brasil só se ouve falar em crise. Tal mal que assola o céu do País, tem dado uma rasteira em milhões de trabalhadores rio afora, trazendo consigo um ar de desesperança e desilusão. Apesar disso, nada impediu Allan da Silva de virar o jogo. Com apenas 26 anos de idade, o campo-grandense sem ensino superior achou no comércio de balas baianas, no Bairro Universitário, uma oportunidade para superar o desemprego. Ele e sua esposa fazem grande sucesso na comunidade não só pelo sabor do doce feito com coco, mas também pelo atendimento carismático do dono.

Segundo Allan, tudo começou em um projeto de sua igreja que tinha como objetivo ajudar as pessoas a obterem renda, “eu e minha esposa estávamos desempregados quando a irmã começou a passar nas congregações ensinando a fazer essas balas. Nós aprendemos e minha esposa adaptou a receita. A partir de então, começamos a vender para o pessoal da igreja”. O sucesso foi tão grande que o casal resolveu expandir para as ruas e avenidas da cidade, foi quando obtiveram o dinheiro suficiente para abrir a tão sonhada loja onde atendem atualmente. 

“Eu comecei com uns R$ 50 e de repente foi gerando R$ 100, R$ 200, R$ 300, R$ 400...”. O comerciante contou que suas vendas tiveram um aumento de 50% a 80% desde o início do seu negócio até os dias atuais. Para ele, tal fato se deu por conta da divulgação boca a boca feita pelos consumidores que ficaram muito satisfeitos com o que provaram. “Até passou dos porcentos meus”, disse ele com um sorriso no rosto que reflete a realização profissional de uma pessoa que tem orgulho do que faz.

Como tudo na vida, a arte de empreender também tem seus altos e baixos. Segundo Allan, ser seu próprio patrão tem suas vantagens, mas também traz uma grande carga de responsabilidade, “é uma dificuldade que me deixa até nervoso”. Apesar disso, ele se diz estar em um constante processo de aprendizado. Pretende começar um curso de administração de empresas para poder me aprofundar e melhorar cada vez mais a sua gestão.

Se tratando de futuro, o comerciante pensa grande. Sua meta é expandir seus negócios ao ponto de abrir filiais em outros estados e aumentar cada vez mais a produção. Também sonha em poder ajudar grupos carentes da sociedade através de doações para asilos e pessoas necessitadas.  

Histórias como a do Allan provam que apesar de crises serem devastadoras, elas também podem ser extremamente oportunas se vista com a quantidade certa de otimismo. O segredo para o êxito? Segundo o antigo vendedor ambulante, hoje empreendedor, é o amor e carinho que ele coloca em seu trabalho (além, é claro, do ponto certo do caramelo). 

 
  • Paulo Ribas / Correio do Estado
  • Paulo Ribas / Correio do Estado
  • Paulo Ribas / Correio do Estado
  • Paulo Ribas / Correio do Estado
  • Paulo Ribas / Correio do Estado
  • Paulo Ribas / Correio do Estado
  • Paulo Ribas / Correio do Estado
  • Paulo Ribas / Correio do Estado
  • Paulo Ribas / Correio do Estado

Leia Também