Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

ROUBO DE CORRENTE

Cinco acusados de envolvimento
na morte de policial são julgados

Júri popular começou nesta manhã

6 JUL 2017Por Izabela Jornada10h:00

Cinco acusados de envolvimento no assassinato do policial civil Dirceu Rodrigues dos Santos, 38 anos, morto ao investigar roubo de corrente de ouro, avaliada em R$ 80 mil, estão sendo julgados hoje (06) na 1ª Vara do Tribunal do Júri. O crime aconteceu no dia 22 de abril de 2014 e, consta nos autos que Dirceu, em companhia de Osmar Ferreira apuravam roubo de corrente de ouro, porém, ao serem identificados pelos criminosos como policiais, foram agredidos e, um dos acusados, Alexandre Gonçalves Rocha, atirou contra Dirceu, que morreu com dois tiros na cabeça.   

Consta na peça acusatória, que no dia do crime, por volta das 22 horas, na Rua dos Topógrafos, Bairro Jardim Campo Nobre, os investigadores de polícia apuravam o roubo da joias e abordaram Alexsandro Gonçalves Rocha, a travesti Natália. Suspeito teria confirmado que a corrente estaria na casa de sua avó.

Porém, no momento em que Osmar estava com a corrente em mãos, foi empurrado por Alexandre e, em seguida, agredido e deixado desacordado.

Depois de empurrar Osmar, Alexandre atirou contra Dirceu que, mesmo ferido, conseguiu correr. 

Alexandre, em companhia de seu irmão Alexsandro, corrompeu um adolescente para que conduzisse o veículo dos policias para saírem em busca de Dirceu. Quando o encontraram, Alexandre efetuou dois disparos contra a cabeça da vítima, matando-a.

Contudo, o denunciado será submetido a julgamento por lesão corporal com concurso de pessoas em relação a Osmar; corrupção de menor; crime de homicídio para ocultar a prática de outro crime (lesão e furto), furto e resistência à prisão.

Já Alexsandro será submetido a júri pelo crime de lesão corporal. Cleber e Renato Ferreira Alves serão julgados pelos crimes de receptação e porte ilegal da arma de fogo.

Por fim, último suspeito de ter se envolvido no crime, Geovane Oliveira Andrade será julgado por receptação, porte ilegal de arma de fogo, favorecimento pessoal e resistência. 

Leia Também