Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 12 de novembro de 2018

INUSITADO

Suposto pastor realiza exorcismo
de paciente em UPA da Capital

Caso teria acontecido na UPA do Universitário e vídeo se espalhou na internet

6 JUL 2017Por GLAUCEA VACCARI19h:03

Imagens de suposto pastor exorcizando um paciente na Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do bairro Universitário chamaram a atenção de outros pacientes da unidade e moradores da Capital, que espalharam o vídeo nas redes sociais. 

Segundo informou o homem que registrou as imagens, caso aconteceu na última quarta-feira (4). Na postagem, rapaz escreveu: “Hoje na Upa Universitário não tinha médicos, mas tinha um pastor enviado para expulsar demônios”.

Na gravação, é possível ver o suposto pastor ordenando para que o demônio saia do corpo do rapaz, além de realizar alguns "rituais", deitando o paciente e batendo levemente sua cabeça no chão. Rapaz se levanta cambaleando e religioso ordena que a entidade não derrube o paciente, encurralando-o contra a parede e continuando o exorcismo.

Alguns pacientes da unidade de saúde acompanham a cena, que acontece do lado de fora do posto.

Assessoria de imprensa da Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) informou ao Portal Correio do Estado que não houve registro de tumulto em nenhuma unidade por conta do suposto exorcismo, que não chegou a conhecimento da Sesau.

Quanto a alegação de falta de médicos, Sesau disse que havia seis clínicos no período da manhã e cinco durante a tarde e noite na UPA do Universitário, não sendo registrada falta de nenhum profissional.

Ainda segundo a secretaria de Saúde, como a UPA é para atendimentos de urgência e emergência, ocasionalmente ocorre demora no atendimento de vítimas em que casos são considerados de menor gravidade, o que leva pacientes a julgarem que não há médicos.

Já sobre o exorcismo, como fato aconteceu fora da unidade, não é de competência dos servidores abordar ou tomar nenhuma atitude sobre a situação. No entanto, caso ocorra situação que gere tumultos, há guardas municipais no local que podem intervir.

VEJA O VÍDEO

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também