Campo Grande - MS, sexta, 17 de agosto de 2018

CAMPO GRANDE

Suspeitos de matar musicista têm prisão preventiva decretada pela Justiça

Vítima foi morta com golpes de martelo na cabeça, em Campo Grande

27 JUL 2017Por GLAUCEA VACCARI12h:19

Os três suspeitos de matar a musicista Mayara Amaral, 27 anos, com golpes de martelo, tiveram a prisão preventiva decretada pelo juiz Ricardo Galbiati, em audiência de custódia realizada na manhã de hoje.

Luis Alberto Bastos Barbosa, 29 anos, Anderson Sanches Pereira, 31, e Ronaldo da Silva Olmeido, 30, foram presos em flagrante na tarde de ontem. Luis e Ronaldo planejaram o crime e mataram a vítima para roubá-la. Anderson ajudou a ocultar o cadáver e dividiu os pertences da vítima com outros dois criminosos.

De acordo com a Polícia Civil, Mayara foi com Luis até um motel na avenida Euler de Azevedo. Ronaldo estava escondido, abaixado no banco de trás de passageiro.

Luis é músico e tocava na noite com a vítima.  Conforme relato dele à polícia, no quarto eles usaram drogas e ambos tiveram relação sexual consentida com a musicista.

Em seguida, ela foi morta com marteladas na cabeça, o corpo foi colocado no porta-malas e levado até a região do Inferninho, onde suspeitos colocaram fogo na mata, na inteção de queimar o corpo. Carro, diheiro e objetos pessoais da vítima foram roubados.

Corpo de Mayara foi encontrado no fim da tarde de terça-feira (25). Ela estava seminua e com o corpo parcialmente queimado. 

Depois do crime, suspeitos ainda enviaram mensagem do celular da vítima para a mãe da musicista, se passando pela jovem, onde ela dizia que estava sendo ameçada de morte pelo ex-namorado, na tentativa de incriminar o rapaz.

No entanto, mensagem foi enviada depois que o corpo já havia sido encontrado e investigações apontaram que o namorado tinha alibi para o momento do crime.

Através do notebook de uma amiga da vítima, que morava com ela, policiais conseguiram rastrear deslocamento do telefone de celular da musicista e constaram que ela pernoitou no motel e, em seguida, se deslocou para uma casa no bairro Santa Luzia.

Dessa forma, chegaram até a casa de Luis, onde foram encontrados vários objetos da vítima, além de um martelo envolto em uma sacola plástica. Diante das evidências, suspeito confessou o crime e denunciou os comparsas. Ele também indicou o local onde teria jogado o celular da vítima, que foi localizado pelos policiais.

Ronaldo e Anderson foram presos quando chegavam em casa, com o carro que foi roubado da vítima. Veículo seria vendido. Ambos tem várias passagens pela polícia, enquanto Luis não tinha nenhuma.

Leia Também