Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sábado, 17 de novembro de 2018

Ação civil Pública

Sem dinheiro para ponto, prefeito
da Capital quer sugestão do MPE

Ministério Público deve indicar o que a prefeitura deve cortar

7 JUN 2017Por DA REDAÇÃO06h:00

O prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD), disse ontem, durante sessão na Câmara Municipal, que vai abrir ao Ministério Público Estadual (MPE) as contas da administração para mostrar a impossibilidade de instalar relógios de ponto nas unidades de saúde da Capital.

O município precisaria de R$ 780 mil para a implantação dos equipamentos e o MPE acionou a Justiça para que a gestão municipal seja obrigada a colocar as máquinas em funcionamento.

Hoje, o controle de frequência dos servidores em saúde é feito por meio de folha de ponto, assinada pelos funcionários, e que não dá nenhuma garantia da efetiva presença do profissional.

Na penúltima semana de maio, o Ministério Público Estadual entrou com ação civil pública contra a prefeitura, pedindo que o município seja condenado a instalar o controle eletrônico biométrico de frequência e pontualidade para todos os serviços públicos que trabalhem nas unidades de saúde municipais.

O pedido foi feito pela promotora de justiça Filomena Aparecida Depólito Fluminhan, titular da 32ª Promotoria de Justiça e Saúde Pública.

*Leia reportagem, de Lucia Morel, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.
 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também