Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Na Capital

Sem credenciamento de hospital, oncologia infantil fica restrita e MPE investiga

Santa Casa e Hospital de Câncer Alfredo Abrão são alvo de inquérito civil

14 AGO 15 - 09h:20ALINY MARY DIAS

O atendimento a crianças que lutam contra o câncer foi restrito nas últimas semas em Campo Grande e a situação motivou abertura de investigação por parte do Ministério Público Estadual (MPE). Os alvos da investigação são o Hospital de Câncer Alfredo Abrão e a Santa Casa de Campo Grande.

Desde o fim do ano passado, a Santa Casa não atende pacientes da área oncológica. Na época, os pacientes foram transferidos para outras unidades de saúde como o Hospital de Câncer e o Hospital Regional Maria Aparecida Pedrossian, todos na Capital.

Diante disso, o atendimento infantil ficou restrito a duas unidades de saúde, até o fim do mês passado, quando o Hospital de Câncer também teve de deixar de atender novos pacientes infantis.

O presidente do hospital, Carlos Coimbra, afirma que a situação foi motivada por impedimento de credenciamento junto ao Ministério da Saúde.

“Nós nunca fomos credenciados para fazer oncologia pediátrica, mas oferecíamos o serviço. No final de julho, o Ministério da Saúde não aprovou o credenciamento e diante disso só atendemos as 35 crianças que já eram pacientes, não atendemos novas crianças”, explica Coimbra.

O impedimento do credenciamento ocorreu em razão de duas exigências principais: Unidade de Terapia Intensiva (UTI) e Pronto Socorro pediátrico. O Hospital de Câncer não possui as unidades e, por isso, está impedido de atender novos pacientes.

Em Campo Grande, apenas o Centro de Tratamento de Oncologia Infantil (Cetoi) do Hospital Regional está habilitado para atender as crianças com câncer.

A situação continuará assim até que o novo prédio do Hospital de Câncer, que deve ser inaugurado até o fim deste ano, comece a operar. Na unidade, haverá pronto-socorro e UTI infantil.

INVESTIGAÇÃO

A apuração do MPE é comandada pela promotora Daniela Cristina Guiotti, da 32ª Promotoria de Justiça de Saúde Pública. Tanto os hospitais quanto a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) devem ser notificados da abertura de inquérito.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Castração de gatos estará disponível nesta segunda
AGENDAMENTO

Castração de gatos estará disponível nesta segunda

Licitação pública de ponte sobre rio Paraguai será lançada no sábado
PORTO MURTINHO

Licitação pública de ponte
será lançada amanhã

Pela terceira vez, MPE quer <br> guardas municipais na prisão
PISTOLAGEM

Pela terceira vez, MPE quer
guardas municipais na prisão

BRASIL

MPF pede suspensão de urgência em concurso da Polícia Rodoviária Federal

Mais Lidas