Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

iluminação pública

Seis meses não pagos serão
cobrados de forma retroativa

Justiça permitiu que prefeitura cobre Cosip não recolhida

24 MAI 17 - 05h:00DA REDAÇÃO

O contribuinte pode preparar o bolso. A cobrança retroativa de seis meses em que a Contribuição para o Custeio da Iluminação Pública (Cosip) não foi paga é apenas questão de tempo.

Com a declaração de inconstitucionalidade, pelo Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJ-MS), da Lei Complementar Municipal n° 285, de 22 de julho de 2016, que cancelou a cobrança, a Prefeitura de Campo Grande é obrigada a cobrar os R$ 30 milhões que deixaram de ser recolhidos entre entre julho de 2016 e janeiro deste ano.

A retomada da cobrança será feita com base no relatório do desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte.

Conforme o procurador-geral do Município, Alexandro Ávalo, o documento  mostra que a decisão tem efeito “ex tunc”, ou seja, os efeitos são retroativos à época da origem dos fatos a ele relacionados.

A decisão não determina prazo para que a cobrança seja realizada, o que deixa a administração à vontade para estudar como ela será feita. O procurador destaca que o recolhimento não deve ser imediato.  

*Leia reportagem, de Tainá Jara, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

MNT recorre à Justiça para que Santa Casa pague salários atrasados
TUTELA DE URGÊNCIA

MNT recorre à Justiça para que Santa Casa pague salários

Brasil ocupa o 44º lugar no consumo de agrotóxicos
RANKING FAO

Brasil ocupa o 44º lugar no consumo de agrotóxicos

Evento oferecerá renegociação de dívidas, cursos e exames gratuitos
CAMPO GRANDE

Evento terá renegociação, cursos e exames gratuitos

Abrasel pressiona e <br> votação sobre canudos é adiada
PEDIU VISTAS

Abrasel pressiona e votação sobre canudos é adiada

Mais Lidas