Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 13 de novembro de 2018

Caos na saúde

Santa Casa de Campo Grande
não abre mão de mais dinheiro

Prefeitura vai pagar R$ 13 milhões, mas portões seguem fechados

10 AGO 2017Por DA REDAÇÃO06h:00

A Santa Casa não abre mão de mais recursos e insiste no aumento do financiamento público do hospital.

Reunião na manhã de ontem, na Assembleia Legislativa, colocou os deputados estaduais na discussão e há promessa de avaliar a possibilidade de que emendas parlamentares sejam destinadas à instituição de saúde, que é entidade filantrópica e mantida pela Associação Beneficente de Campo Grande (ABCG).

Ontem, a prefeitura da Capital anunciou o repasse – que seria feito até hoje – de R$ 13 milhões em recursos, dos quais aproximadamente R$ 7 milhões saíram do Tesouro do município (o Ministério da Saúde repassa valores na metade do mês).

Mesmo com esse dinheiro, o hospital pretende manter os portões do pronto-socorro fechados e receber, no local, somente pacientes referenciados (com encaminhamento). 

Atualmente, em torno de R$ 20 milhões em recursos do Sistema Único de Saúde (SUS) – que envia R$ 15 milhões –, da prefeitura (R$ 3.317.000,00) e do governo do Estado (R$ 1.820.000,00) são utilizados pelo hospital para todas as despesas operacionais, inclusive pagamento de funcionários.

Estado e prefeitura ainda repassam, cada um, R$ 750 mil (R$ 1,5 milhão, no total) para ajudar a Santa Cada no pagamento de empréstimo contraído com a Caixa Econômica Federal (CEF), em 2014. 

Santa Casa e prefeitura ainda usam contrato de 2016 – que é aditivado todos os meses – para manter os pagamentos realizados ao hospital.

O deste ano ainda não foi assinado e três são os principais impasses dessa assinatura: pagamento total ao hospital até o 5º dia útil de cada mês; uso de recurso municipal para tal e pagamento de R$ 21 milhões utilizados pela entidade no ano passado.

*Leia reportagem, de Lucia Morel, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também