Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, terça, 13 de novembro de 2018

15 dias

Obras de drenagem vão interdiar
Rua Brilhante por quinze dias

Serão dois pontos de interdição na via

14 AGO 2017Por IZABELA JORNADA16h:13

A Rua Brilhante ficará interditada por 15 dias devido a obras de drenagem. Estão previstos dois pontos de interdição no corredor sudoeste do transporte coletivo de Campo Grande. A medida, que começou hoje, deve gerar transtorno a motoristas que precisam acessar sentido saída Sidrolândia a partir do Centro em horários de pico, como no final da tarde.

Motoristas devem ficar atentos às alternativas de trânsito sugeridas pela Agência Municipal de Transporte e Trânsito (Agetran) entre os cruzamentos com as ruas Ciríaco Maymone e Vicente Solaris. 

Entre as rotas alternativas existe a opção que os motoristas devem ir pela Brilhante até a Argemiro Fialho, entrar à esquerda, descer uma quadra, fazer conversão à direita na Alexander Fleming, na segunda quadra entrar na Salim Maluf, subindo duas quadras para retornar a Brilhante, em trecho com acesso liberado.

Quem estiver na Argemiro Fialho, para ir em direção ao terminal Bandeirantes, uma quadra antes da Brilhante, deve entrar na Rua Marechal Floriano, seguir até a Salim Maluf, por onde chegará a Brilhante.

Desde o final de semana o trânsito está liberado nos cruzamentos da Guia Lopes com a Avenida Salgado Filho e da Brilhante com a Argemiro Fialho, onde foram executados serviços de drenagem e recomposição do pavimento.

A contratação do Exército para realizar a obra foi assinada em 25 de agosto do ano passado no valor de R$ 23 milhões. Desse total, R$ 19,517 milhões foram liberados pelo Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) Mobilidade e o dinheiro já foi disponibilizado pela Caixa Econômica Federal.

A previsão de conclusão era de 468 dias, com garantia do serviço de dois anos. Houve atrasos no empreendimento e um dos motivos foi que o Exército enfrentou problemas para contratar empresa terceirizada e adquirir massa asfáltica.

A Prefeitura de Campo Grande negou que estava havendo boicote de empreiteras, que quando a contratação foi acertada reclamaram do procedimento tomado pela administração municipal.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também