Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 19 de outubro de 2018

Transporte Público

Retomado há 3 meses, estudo para
retirar vagas da Afonso Pena não anda

Corredores de ônibus seriam implantados na principal avenida da Capital

17 MAI 2018Por LEANDRO ABREU*13h:07

Três meses após serem retomados pela Prefeitura de Campo Grande, os estudos para implantação de corredores de ônibus e extinção das vagas de estacionamento na avenida Afonso Pena não avançaram. O prefeito Marcos Trad (PSD) afirmou hoje que proposta ainda será analisada por técnicos, comércio e população da Capital.

“Tudo vai ser conversado e planejado antes de tomar qualquer decisão. Se houver essa conclusão pelos técnicos, pela população e pelos comerciantes, nós temos que encontrar uma maneira viável para acolher todos aqueles que forem realizar as compras no centro da cidade”, comentou durante agenda pública na manhã de hoje (17).

Em fevereiro deste ano, o secretário de obras da Capital, Rudi Fiorese, disse ao Correio do Estado que o projeto de mobilidade urbana – paralisado por falta de recursos em 2012 – seria retomado. Construção de terminais de transbordo, pontos de ônibus e faixas exclusivas para o transporte coletivo faziam parte do projeto original. Isso tudo contemplaria três regiões da Capital.

No caso da principal avenida da cidade, para que os ônibus tenham uma faixa exclisiva, as vagas de estacionamento teriam que ser extintas, o que pode aumentar ainda mais a dificuldade de se estacionar no centro.

Isso tudo leva em conta também e extinção de 130 vagas na Rua 14 de Julho com as obras do “Reviva Centro”. “Isso tudo tem beneficiado apenas empresas que têm estacionamento e os shoppings. Isso vai acabar com o comércio de rua. O pequeno empreendedor não tem condições de defender essa vaga”, comentou Adelaido Vila, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL/CG), em fevereiro, quando os estudos seriam retomados.

*Colaborou Tainá Jara

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também