Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 19 de outubro de 2018

Fiscalização

Procon autua dez agências bancárias por demora no atendimento em Campo Grande

Também foram constatadas outras irregularidades durante fiscalização

9 FEV 2018Por GLAUCEA VACCARI15h:41

Dez agências bancárias de Campo Grande foram autuadas pela Superintendência para Orientação e Defesa do Consumidor (Procon) por demora no atendimento, ausência de registro eletrônico e presencial e negativa de prestação de serviço.

Fiscalização foi realizada depois de denúncias dos clientes das agências e a operação terminou na quinta-feira (8). Nomes e localização das instituições autuadas não foram divulgadas pelo Procon.

Superintendente do Procon estadual, Marcelo Salomão, disse que as autuações podem resultar em multas de R$ 50 mil, podendo chegar a R$ 100 mil se reincidências de irregularidades forem constatadas nas agências.

Em uma agência localizada na Avenida Calogéras, foi constatado que o tempo de espera ultrapassava mais de uma hora, que as placas não eram visíveis à distância, e havia ausência de registro e senha preferencial para atendimento em mesa.

Em outra agência, na Avenida Afonso Pena, a senha que registra horário de entrada estava adiantada em cinco minutos.

De acordo com Lei Municipal nº 4303/05, todas as agências bancárias localizadas na Capital são obrigadas a prestarem os serviços em tempo razoável aos usuários que estiverem na fila ou portando senhas para atendimento no guichê.

Em dias comuns, tempo máximo de espera é de 15 minutos. Já em datas de pagamentos de funcionários públicos municipais, estaduais e federais, de vencimentos de contas de concessionárias de serviços e de recebimentos de tributo, o tempo de espera é de 20 minutos. Véspera ou pós feriados prolongados, atendimento deve ser feito e até 25 minutos.

Caso algum cliente flagre alguma situação que contrarie a lei, pode denunciar ao Procon através do número 151 e pelo Fale Conosco do site do órgão.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também