Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

21 obras paradas

Prefeitura da Capital usará verba
estadual em contrapartidas

Acordo assinado em março envolve valores de R$ 50 milhões

17 AGO 2017Por DA REDAÇÃO06h:00

Convênio firmado entre Prefeitura de Campo Grande e governo do Estado para uso de recursos estaduais em serviços de tapa-buraco e recapeamento servirá para garantir contrapartidas de obras do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) que estão paradas há anos.

Esse acordo foi fechado em março deste ano, no valor de R$ 50 milhões (R$ 25 milhões do governo e R$ 25 milhões da gestão municipal).

Por enquanto, R$ 15 milhões – dos R$ 25 milhões destinados a Campo Grande pelo Estado – já estão certos que serão usados para contrapartidas, mas haverá mais dinheiro, conforme informou, ontem, o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) durante inauguração da revitalização do cruzamento entre as avenidas Nely Martins/Via Park e Mato Grosso.

O anúncio será feito na terça-feira, dia 22. “Dia 22 vamos anunciar um grande volume de investimentos em infraestrutura urbana, com inúmeros bairros pavimentados”, garantiu, sem informar valores. 

Tal auxílio à cidade decorre de lista encaminhada ao Estado, em 6 de julho deste ano, quando vereadores foram até a Governadoria e apresentaram 21 obras paradas em Campo Grande que precisam de contrapartida.

A prefeitura necessita de R$ 400 milhões e, na data, a expectativa era de que o Estado ajudasse com R$ 60 milhões ou R$ 80 milhões. 

Até agora, a primeira obra a receber dinheiro do Estado para contrapartida foi o asfaltamento do Bairro Nova Lima, onde lançamento do início dos serviços ocorreu semana passada.

Ao todo, R$ 20.891.948,77 estão sendo investidos, sendo R$ 19.110.075,66 do governo federal por meio da Caixa Econômica Federal (CEF) e R$ 1.791.873,11 do governo estadual.

*Leia reportagem, de Lucia Morel, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também