quinta, 19 de julho de 2018

CAMPO GRANDE

Confirmado o tombamento do Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro

O edital que confirma a preservação foi publicado no Diário Oficial de hoje

13 JUL 2018Por EDUARDO MIRANDA09h:40

Por seu valor histórico e arquitetônico, o Santuário Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, localizado na Avenida Afonso Pena, Bairro Amambaí, em Campo Grande, teve seu tombamento autorizado pela Secretaria Municipal de Cultura e Turismo (Sectur). O edital que confirma a preservação do mais novo acervo do patrimônio histórico da Capital, foi publicado na edição desta sexta-feira (13) do diário oficial do município. 

Foi delimitada como área tombada o templo da Igreja Nossa Senhora do Perpétuo Socorro, com área de 908 metros quadrados, o Velário (capela localizada em frente ao templo, para acendimento das velas) de área de 42,6 metros quadrados, e o prédio da antiga casa paroquial dos Redentoristas, cuja área é de 789 metros quadrados. 

O tombamento garante a preservação das características históricas e arquitetônicas do templo, mas também impõe restrições à administração da paróquia, como por exemplo, a proibição de mutilar, destruir, transformar ou aniquilar sem licença prévia do município, os bens tombados. Os mesmos também não podem ser reparados, pintados ou restaurados, sob pena de multa correspondente ao dobro do dano. 
No caso de alienção (venda) do bem, o novo adquirente deve dar conhecimento imediato ao órgão municipal de cultura. 

O edital publicado hoje é assinado pela secretária municipal de Cultura, Nilde Brum. 

“Para nós, o tombamento do Santuário de Nossa Senhora do Perpétuo Socorro é mais um motivo de celebração. Um imóvel só é tombado porque ele representa muito para a sociedade”, afirmou o padre Dirson Gonçalves, pároco local. “No próximo dia 3 de agosto, a igreja completa 77 anos, este tombamento será mais um motivo para comemorar”, complementa. 

HISTÓRIA

A igreja foi inaugurada em 3 de agosto de 1941. Sua construção começou em 1939, e teve a pedra fundamental lançada por Dom Vicente Priante, bispo de Corumbá na época. A igreja ficou  sob os cuidados da Congregação do Santíssimo Redentor dos Missionários Redentoristas.

Os projetos originais são de 9 de novembro de 1939, e o responsável técnico é o ex-prefeito de Campo Grande, Joaquim Teodoro de Faria.  

A igreja é considerada uma das mais belas do Estado e os estudos arquitetônicos mostram que foi inspirada na Basílica de Santo Apolinário em Classe, localizada em Ravena, na Itália.

* Matéria atualizada às 15h38 para acréscimo de informações. 
 

Leia Também