Quarta, 13 de Dezembro de 2017

Cobrança

Prefeito e governador aguardam resposta de Brasília sobre custeio de Hospital

Azambuja disse que há um trabalho em conjunto para adequar o custeio

7 DEZ 2017Por Leandro Abreu e Daniella Arruda13h:37

O custeio mensal de R$ 6 milhões com o Hospital do Trauma deve ser cobrado do Governo Federal, segundo o prefeito de Campo Grande, Marcos Trad (PSD). A previsão de término das obras da unidade de saúde ficou para o mês de dezembro deste ano, mas não se sabe de onde virá esse dinheiro para o funcionamento, o que pode atrasar o início dos trabalhos do local.

"Buscar do Governo Federal, afinal de contas, o município é a fonte que mais ajuda o Governo Federal a arrecadar os seus impostos. Tudo sai da cidade e o retorno não tem sido igualitário. Agora nós esperamos sensibilizar o Ministro da Saúde, o presidente, a nossa bancada e o nosso Senado, porque nos entregaram o Hospital do Trauma. É uma conquista? É! Mas nós temos que aparelha-lo, equipa-lo e mantê-lo. Isso é o mais difícil e o Governo Federal deve honrar com isso", disse o chefe do Executivo municipal durante agenda nesta quinta-feira (7).

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) também disse em agenda que há um trabalho em conjunto para adequar o custeio, mas não se preocupa muito com a possibilidade de faltar dinheiro. "Nós estamos trabalhando, Ministério da Saúde, Santa Casa, governo e prefeituras, uma equação do custeio. Vai ser tranquilo isso, cada um vai ter que entrar com uma parte, finalizando a obra e equipando ali, estão praticamente todos os equipamentos comprados, eu acredito que no início do ano que vem a gente entrega o hospital e entrega qual o modelo de compartilhamento de gestão e financiamento, fonte de financiamento. Está bem encaminhado. Vai ter os valores, hoje está dependendo muito mais da resposta do Ministério da Saúde, qual o montante que eles vão aportar", explicou.

A Santa Casa recebe todos os meses R$ 20,3 milhões da prefeitura da Capital, governo do Estado e do governo Federal para manter suas atividades. Com a abertura dos serviços do Hospital do Trauma, o gasto mensal subirá.

Leia Também