Campo Grande - MS, quarta, 22 de agosto de 2018

Protesto Nacional

Prédio do Incra na Capital é ocupado por integrantes de Movimentos Sem-Terra

Eles reivindicam negociação rápida das terras para a reforma agrária

18 OUT 2017Por MARESSA MENDONÇA E LEANDRO ABREU09h:45

Integrantes de Movimentos Sem-Terra ocuparam na manhã de hoje o prédio do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra) em Campo Grande. Eles seguem protesto nacional e pedem mais celeridade no processo de distribuição de terras no País e no Estado.

Ao menos nove grupos chegaram ao local por volta das 6h30 desta quarta-feira e a expectativa das lideranças dos movimentos é da adesão de mil manifestantes.

Coordenadora da Organização Luta pela Terra (OLT), Maria Bueno comentou que a reivindicação é para acelerar liberação das vistorias nas fazendas de Mato Grosso do Sul e negociação das terras já escolhidas para reforma agrária. “Estamos aguardando há dois anos e nada”, declarou.

Ronildo Lopes, que coordena o grupo MST no Estado reforçou que se trata de uma ocupação pacífica realizada em todo o País. “Têm 10 anos que não tem nenhum novo assentamento aqui”, reclama.

Os grupos estão do lado de fora do prédio e avaliam a possibilidade de bloquear a Rua 25 de Dezembro, onde o Incra está situado. 

PROTESTO

Os manifestantes levaram colchões e prometem ficar no local, ao menos, até terminar a reunião de representantes dos movimentos pela reforma agrária com o Ministro-chefe da Casa Civil da Presidência da República, Eliseu Padilha. O encontro está agendado para às 15h de hoje em Brasília.

O MOVIMENTO

O protesto nacional começou um dia após o Dia Mundial da Alimentação, que ocorreu na segunda (16). Os manifestantes querem mudança no modelo de agricultura, saindo da atual agricultura, considerada por eles como "envenenada", para uma agricultura agroecológica.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também