Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, sexta, 16 de novembro de 2018

morte violenta

Polícia prende um suspeito de
matar musicista de 27 anos

Mayara Amaral sofreu golpes na cabeça e teve o crânio quebrado

26 JUL 2017Por RODOLFO CÉSAR E THIAGO GOMES15h:58

Policiais civis de Campo Grande prenderam na tarde de hoje um suspeito de matar Mayara Amaral, 27 anos. Ela foi assassinada com golpes na cabeça ontem e o corpo dela foi queimado. O crime, a princípio, aconteceu em um motel que fica na Avenida Euler de Azevedo.

Perícia criminal já esteve no local e identificou manchas de sangue. Material coletado para análise. O carro da vítima, um Gol branco, também acabou localizado em um bairro da Capital. O veículo estava na Vila Dedé.

Apesar de uma pessoa já ter sido presa, não é descartada a participação de outras pessoas no assassinato. Investigadores da 5ª Delegacia de Polícia estão em diligências para tentar obter mais detalhes.

O corpo de Mayara foi encontrado desfigurado em estrada que leva ao Inferninho no começo da noite de terça-feira. Depois de levantamentos iniciais da perícia e da Polícia Civil, a vítima foi levada ao Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol) pela Funerária Anjos da Paz.

Na manhã de hoje, a mãe da vítima procurou a polícia para registrar boletim de ocorrência de desaparecimento. Depois de apurado, foi constado que se tratava de Mayara.

A mulher não voltava para casa onde morava desde o segunda-feira (24). A mãe dela contou a policiais que recebeu mensagem no celular que informava que Mayara havia brigado com o namorado e estava recebendo ameaça de morte. O texto foi enviado depois que ela já estava morta.

INVESTIGAÇÃO

Corpo de Mayara foi encontrado na noite de ontem, em área de vegetação na estrada que leva ao Inferninho. Vítima estava seminua e corpo estava parcialmente queimado.

Segundo a Polícia Civil, peritos identificaram que o fogo foi colocado na vegetação e atingiu o corpo da mulher que estava na mata, mas que, a princípio, não há indícios de que fogo tenha sido ateado com intenção de queimá-la.

Em primeiro momento, houve suspeita que ela tinha sofrido um tiro na cabeça, mas verificação de peritos concluiu que houve diversos golpes com objeto ainda não identificado.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também