Campo Grande - MS, quarta, 22 de agosto de 2018

CAMPO GRANDE

Polícia e Energisa fazem operação em 120 endereços para combater "gatos"

Só em 2016, ligações clandestinas causaram prejuízo de R$ 100 milhões

14 JUN 2017Por MARESSA MENDONÇA E RENAN NUCCI10h:10

Operação contra furto de energia é realizada hoje pela Polícia Civil e Energisa em 120 casas e estabelecimentos comerciais dos bairros da região norte de Campo Grande (Monte Castelo, Coronel Antonino e Nova Lima).

Conforme as informações do gerente da equipe de combate ao furto de energia elétrica da Energisa, Paulo Roberto dos Santos, em 12 destes 120 endereços onde ocorrem as ações as fraudes já foram confirmadas.

Nestes casos, a perícia e polícia vão ao local para realizar o flagrante.

Em imóvel da Rua Sebastião Taveira, no Bairro Monte Castelo, o prejuízo em decorrência da ligação clandestina, o “gato” é estimado em R$ 8 mil. Não há informações sobre quando a irregularidade teve início.

Paulo Roberto explica que, média de três mil casos de furto de energia é constatada mensalmente na Capital.

Em 2016, foram 40 mil casos ao todo, com prejuízo de R$ 100 milhões.

Deste total, segundo ele, R$ 30 milhões seriam destinados ao pagamento de impostos e revertidos à população.

O gerente informou ainda que os gatos são facilmente constatados quando há queda brusca da taxa de consumo. A mudança varia entre 40% e 60% de um mês para o outro.

Paulo Roberto pontua que, diferente dos grandes centros urbanos como Rio de Janeiro e São Paulo — onde as ligações clandestinas são mais frequentes nas favelas — na Capital, os "gatos" ocorrem nos mais variados tipos de imóveis e até estabelecimentos comerciais.  

PUNIÇÃO

Ainda segundo Paulo Roberto, as ligações clandestinas geralmente são feitas por técnicos eletricistas, dentro das residências para que os profissionais da concessionária não percebam.

De acordo com a Polícia Civil, o responsável pela ligação clandestina responde por estelionato enquanto o proprietário da casa ou estabelecimento comercial por furto.

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também