Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

CRIME BRUTAL

Caseiro e filho já foram investigados
pela polícia por outros crimes

Rivelino Mangelo é suspeito de violência doméstica e ameaça

19 JUL 2017Por MARIANE CHIANEZI e VÂNYA SANTOS14h:47

Caseiro Rivelino Mangelo, de 45 anos, e um dos filhos, Rogério Nunes Mangelo, de 19 anos, presos nesta manhã, suspeitos da morte do ex-vereador Cristóvão Silveira, de 65 anos, e sua esposa Fátima de Jesus Diniz Silveira, de 56 anos, já tinham histórico criminal.

Rivelino tem várias passagens policiais registradas desde 2010. Foi identificado histórico por violência doméstica, furto e ameaça.

Já seu filho, Rogério, tem passagens por ato infracional de furto ocorrido quando ele tinha 12 anos de idade. Depois dos 18 anos, ele foi fichado por lesão corporal.

O segundo filho do caseiro, Alberto Nunes Mangelo, de 20 anos, não tem registro criminal.

Os três foram presos e levados para a Delegacia Especializada de Repressão a Roubo a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras), em Campo Grande.

O CASO

Crime aconteceu no final da tarde de ontem, no Sítio Bem Te Vi, de propriedade das vítimas, localizado no km 24 da MS-080, na região do Distrito de Aguão, em Campo Grande.

Depois do crime, o caseiro foi de trator até um bar e disse à proprietária que estava com o pé cortado em decorrência da fuga de bandidos que invadiram o sítio do ex-vereador. Ele afirmou que conseguiu escapar e a mulher chamou o Corpo de Bombeiros.

Versão do homem não convenceu a polícia e ele foi preso. Filhos do caseiro, Rogério e Alberto, foram presos em seguida em casas diferentes em Anastácio.

SUPOSTO ESTUPRO

Polícia Civil ainda investiga se a esposa do ex-vereador, Fátima de Jesus Diniz Silveira, 56 anos, foi estuprada antes ou depois de ser morta. Ela teve o corpo queimado e foi encontrada seminua.

Fátima estava com a calça abaixada na altura dos pés, vestia apenas calcinha e uma blusa. Ela teve o corpo queimado, em seu pescoço havia um corte profundo e a suspeita é de que tenha sido estuprada pelos bandidos.

Leia Também