Campo Grande - MS, terça, 21 de agosto de 2018

investigação complexa

Polícia consegue mandado para manter
suspeito de matar Kauan preso

Justiça concedeu prisão pela suspeita do abuso e morte do garoto

14 AGO 2017Por RODOLFO CÉSAR E NATALIA YAHN15h:38

A Polícia Civil conseguiu na Justiça Estadual autorização para manter preso o suspeito de abusar de oito crianças e guardar em casa material pornográfico infantil.

O deferimento do mandado de prisão temporária (válido por 30 dias) pedido pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente (Depca) foi acatado hoje de manhã e se refere especificamente ao abuso e ao homicídio de Kauan Andrade dos Santos, de 9 anos. O nome do homem não foi divulgado pela polícia.

Esse passo na investigação representa que a equipe da Depca conseguiu mais indícios que incriminam o suspeito na morte do garoto. Até então, ele estava preso pelo envolvimento no abuso de outras crianças. A partir desse passo, o homem agora está ligado ao estupro de não mais oito vítimas, mas nove ao todo.

O delegado Paulo Sérgio Lauretto explicou hoje que havia a preocupação que o homem poderia obter um habeas corpus e sair do Presídio de Trânsito de Campo Grande. Ele está preso desde 21 de julho.

Com esse novo mandado expedido, o delegado tem mais 30 dias para buscar novos indícios e concluir o inquérito que trata do estupro e assassinato de Kauan. A criança desapareceu no dia 25 de junho na região do Coophavilla.

À Justiça, a polícia apresentou fortes indícios que o menino esteve de fato na casa do suspeito. Durante as investigações, foi constatado que o homem sempre levava entre duas a três crianças para serem abusadas. Os crimes aconteciam na presença de testemunhas.

Essas conclusões foram obtidas depois que a equipe policial ouviu testemunhas e vítimas, que deram detalhes minuciosos. Até mesmo o adolescente de 14 anos suspeito de ajudar o suspeito a violentar Kauan deu informações conclusivas. Esse jovem também foi violentado pelo investigado.

A apuração que liga o adolescente ao crime que vitimou Kauan é conduzida na Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude (Deaij). Por conta disso, ele segue internado em uma Unidade Educacional de Internação (Unei).

BUSCAS

Paulo Sérgio Lauretto reafirmou que as buscas pelo corpo do garoto continuam e estão sendo feitas a partir de novas informações que chegam à delegacia.

"Vamos atrás sempre. Em todas as buscas e em qualquer informação que recebemos, nós vamos atrás", disse o delegado. 

Parte do trabalho de averiguação foi feita em vários trechos do Rio Anhanduí, na região do Aero Rancho. Bombeiros auxiliaram nesse trabalho.

Denúncias anônimas podem ser feitas pelo telefone (67) 3323-2500 e (67) 3323-2510, além do e-mail depca@pc.ms.gov.br.

LAUDOS

Sangue que foi encontrado na casa do suspeito já foi enviado para o Instituto de Análises Laboratoriais Forenses (Ialf) para exame de DNA. Amostras de familiares também foram coletadas para ser realizado comparação genética.

Os laudos ainda não foram entregues à Depca e dependendo dos resultados, poderão indicar mais indícios do crime contra o garoto.

OITIVA

O mandado obtido pela Polícia Civil na Justiça especificamente sobre o estupro e assassinato de Kauan vai permitir agora que o suspeito do crime seja interrogado formalmente sobre esse caso.

As outras oitivas que foram colhidas referiam-se aos abusos cometidos em oito jovens, incluindo o adolescente suspeito de ter ajudado o homem a violentar Kauan.

Leia Também