Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Protestos

Sessão termina em confronto entre manifestantes e Choque na Câmara da Capital

Houve 50 minutos de sessão que foi interrompida e professor acabou preso

4 AGO 15 - 10h:10ALINY MARY DIAS E KLEBER CLAJUS

Depois dos protestos em frente à Câmara, os manifestantes, maioria professores, lotaram o plenário da Casa da Leis nesta terça-feira (4). Houve tumulto antes mesmo do início da sessão e depois de iniciados os trabalhos, os manifestantes jogaram pacotes de café contra os vereadores e a Tropa de Choque da Guarda Municipal precisou intervir.

As portas da Câmara foram abertas às 9h, mas houve tumulto e pressão de manifestantes para liberação da entrada. Pouco antes da abertura das portas, as centenas de manifestantes que aguardavam do lado de fora souberam que suposto grupo de manifestantes a favor do prefeito Gilmar Olarte (PP) já estariam dentro da Casa de Leis.

A situação motivou a ira dos manifestantes que começaram a gritar para que a “casa do povo” fosse aberta. Confira no vídeo abaixo.

Os guardas municipais que reforçam a segurança do prédio chegaram a impedir a entrada do grupo, mas no fim, todos entraram. Os 364 lugares da Câmara estão lotados e há muitos manifestantes em pé.

Assim que os 22 dos 29 vereadores desceram ao plenário, houve vaias e gritos de reprovação. Um grupo de manifestantes pró-Olarte, entre eles Edson Lima, de 53 anos, foi hostilizado pela maioria. “Conhecemos o prefeito e sabemos da moral, viemos aqui em apoio a ele”, disse Edson.

Durante a sessão que durou apenas 50 minutos, os vereadores votaram apenas um projeto relacionado à assinatura de engenheiros da prefeitura em projetos de habitação. Depois disso, manifestantes jogaram pacotes de café nos vereadores e o Grupo de Operação de Controle de Distúrbios, a Tropa de Choque da Guarda Municipal, precisou intervir.

Houve discussões, confronto, mas ainda não há informação de feridos. Um professor foi preso e encaminhado pelos guardas até a delegacia. Os vereadores se retiraram do plenário e a sessão foi encerrada.

REVOLTA

Além da pressão que professores fazem pelo reajuste salarial que ainda não foi acertado e motiva paralisação de parte dos docentes, as denúncias investigadas na Operação Lama Asfáltica, sobre negociação de propina em suposta compra de vereadores para cassação do ex-prefeito Alcides Bernal (PP) também é motivo de indignação.

Em defesa às críticas, o presidente da Câmara, Mario Cesar (PMDB), falou hoje sobre o assunto. Ele negou qualquer participação em suposta armação.

Confira abaixo a ira de manifestantes antes do início da sessão:

 

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

Agendamento de castração de gatos estará disponível nesta segunda
ON-LINE

Agendamento de castração de gatos estará disponível nesta segunda

Licitação pública de ponte sobre rio Paraguai será lançada no sábado
PORTO MURTINHO

Licitação pública de ponte
será lançada amanhã

Pela terceira vez, MPE quer <br> guardas municipais na prisão
PISTOLAGEM

Pela terceira vez, MPE quer
guardas municipais na prisão

BRASIL

MPF pede suspensão de urgência em concurso da Polícia Rodoviária Federal

Mais Lidas