Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

Famoso 'gato'

Operação flagra furto de energia
em seis lanchonetes Subway

Fiscalização de rotina identificou crime e Energisa montou operação

17 OUT 2017Por LUANA RODRIGUES E YARIMA MECCHI17h:11

Operação da Energisa, concessionária de energia elétrica no Estado, autuou seis lojas da rede de lanchonetes Subway, em Campo Grande. A  ação, que começou há cerca de um mês, está inspecionando todas as lojas da rede na Capital. Os proprietários dos estabelecimentos flagrados adulterando o consumo serão autuados por furto de energia.

De acordo com um supervisor técnico da empresa que acompanha a operação hoje (17), mas preferiu não se identificar, as irregularidades foram constatadas durante uma fiscalização de rotina em uma das lojas no mês passado. Diante do flagrante, a empresa passou a fiscalizar todos os estabecimentos da rede e encontrou diversos problemas.

Conforme o supervisor, na tarde de hoje, na Avenida Costa e Silva, em frente a Universidade Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS), foi constatado que o aparelho medidor de energia registrava 80% a menos do que era consumido. Por exemplo, de 10 mil quilowatt-hora de energia consumidos, só 2 mil kwh eram registrados.

No local, os fraudadores haviam instalado um medidor eletromecânico e adulterado os lacres e as leituras das engrenagens que fazem o registro do consumo.

Também foram constatadas irregularidades nas lojas da rede localizadas na Avenida Capibaribe, Rua Anhanguera, Rua da Divisão, Bom Pastor e em um posto do trevo no Imbirussu. 

Nestes locais, houve a queima do circuito eletrônico, o que representa um risco não só para quem executa a fraude, como para a rede elétrica, pois pode causar curto-circuito. Outros estabelecimentos serão vistoriados até o fim da operação, que ainda não tem prazo para terminar.

A Polícia Civil acompanha a operação e autua os proprietários do estabelecimentos por furto. Conforme o delegado Jairo Carlos Mendes, o crime tem pena prevista de dois a quatro anos de detenção.

Além de responder por furto, os empresários também terão que ressarcir a Energisa com base na quantidade de energia furtada.

O levantamento é feito pelo setor de inteligência da empresa, que compara o consumo dos meses em que há suspeita de furto com períodos anteriores, quando, aparentemente, não havia adulteração nos medidores.

REGULARIDADE

Proprietário de loja na Rua Bom Pastor, Wagner Herrera do Nascimento, 40 anos, informou que a unidade dele passou por vistoria, mas não há irregularidade. A lanchonete foi apontada pela Polícia Civil com indicativo de furto de energia. O delegado da 5ª DP, Jairo Carlos Mendes, confirmou hoje à tarde que a loja fazia parte de lista repassada pela Energisa.

"Foi feita vistoria, sim, mas não trabalho desta forma (com furto de energia). Na minha loja não há irregularidade e posso provar. Hoje pago quase R$ 3 mil de conta", afirmou o empresário.

A Energisa informou que não se pronunciaria sobre situação de clientes.

*Atualizada às 19h55 para acréscimo de informações. Colaborou Rodolfo César.

 
  • Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado

Leia Também