Campo Grande - MS, quarta, 15 de agosto de 2018

violência doméstica

Operação com 15 delegacias leva
à prisão 52 agressores de mulheres

Estatística indicou que minoria dos homens permanece presa

6 SET 2017Por RODOLFO CÉSAR18h:26

Policiais de 15 delegacias fizeram operação para prender 52 homens suspeitos e condenados por prática de crimes contra mulheres. A ação teve duração de dois dias, começou ontem (5) e só terminou hoje.

A Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher (Deam) coordenou o trabalho. A operação foi denominada Maria da Penha Mais Forte.

As prisões aconteceram por conta de mandados expedidos pela Justiça Estadual em razão de investigações de violência doméstica em Campo Grande.

Entre os 52 mandados de prisão, 37 eram de sentença definitiva, 14 preventivos e 1 por pensão alimentícia.

Estatística divulgada em agosto mostrou que apenas 1% dos agressores de mulheres ficam presos em Campo Grande. Muitos são detidos, mas acabam liberados para cumprimento de medidas alternativas.

Só no primeiro semestre deste ano, a Deam prendeu 363 homens, sendo 213 em flagrante e 150 por mandados. Já a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) confirmou que havia apenas cinco presos. Outros 77 agressores cumpriam penas monitorados por tornozeleira eletrônica.

De janeiro a junho, foram instaurados 3.471 inquéritos e 3.597 relatados ao Judiciário, com uma média superior a 600 boletins de ocorrência registrados por mês.

Ao todo, são 1.870 denúncias de crimes contra a honra (injúria, calúnia e difamação), 1.952 por ameaça, 854 por vias de fato e 772 por lesão corporal.

Mato Grosso do Sul aparece com alto índice de estupro em grupos de 100 mil mulheres. O Estado é o terceiro (106,3 casos) onde mais esse tipo de violência foi praticado, atrás apenas do Acre (120,7), que lidera o ranking, e Roraima (110,4). Os dados são do Observatório da Mulher contra a Violência (OMV), ligado ao Instituto de Pesquisa DataSenado.

Leia Também