Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

ENVOLVIMENTO COM MÍLICA

Nota divulgada pela Guarda
causa mal-estar na Sejusp

Sejusp está aguardando as investigações para verificar envolvimentos de policiais no crime

24 MAI 19 - 11h:29EDUARDO PENEDO

O possível envolvimento de policiais civis e militares no caso do arsenal encontrado em uma casa do bairro Monte Líbano, em Campo Grande, divulgado pela Secretaria Especial de Segurança e Defesa Social (Sesdes) gerou um mal-estar na Secretaria Estadual de Justiça e Segurança Pública (Sejusp).  

O secretário da Sesdes Valério Azambuja teria ligado para o secretario da Sejusp Carlos Videira informando do envolvimento de policiais civis e militares no crime. 

Em nota, a Sejusp informa que as investigações estão em andamento, e foi determinado que as corregedorias dos órgãos ligados à secretaria investiguem possível participação de servidores neste caso. Se houver qualquer indício de envolvimento, eles vão responder não só na esfera administrativa, como também na criminal”, destacou Vidiera. 

A Sejusp informa ainda que o inquérito policial ainda está em andamento por meio do Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras) e a secretaria irá se pronunciar no momento oportuno.

Entenda o caso 

No domingo, policiais da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos a Banco, Assaltos e Sequestros (Garras), com apoio do Batalhão de Choque da Polícia Militar, apreenderam dezenas de armas de grosso calibre em poder do guarda municipal Marcelo Rios, 42 anos, no Bairro Monte Líbano, em Campo Grande. No local, a polícia encontrou dois fuzis AK-47, quatro fuzis calibre 556, duas espingardas calibres 12 e 22, 17 pistolas e um revólver calibre 357.  

Além das armas de fogo, foram apreendidos supressores de ruídos (silenciadores), diversos carregadores e munições. Um veículo com restrição criminal por roubo/furto também foi apreendido no local. 

A prisão em flagrante de Rios acabou convertida em prisão preventiva, durante audiência de custódia realizada na segunda-feira (20), no Fórum da Capital. O caso está sendo investigado pelo delegado Fábio Peró, do Garras. 

Na quarta-feira, com o desdobramento das investigações, policiais fizeram a prisão de mais dois integrantes da Guarda Municipal, suspeitos de envolvimento no caso. Conforme apurado, os servidores, que ainda não tiveram os nomes divulgados, são suspeitos de planejarem o sequestro e cárcere privado da mulher do colega preso com o arsenal. Eles foram autuados por obstrução de Justiça. 

A suspeita da polícia, ainda de acordo com o que foi levantado, é de existência de uma organização criminosa por trás do esquema das armas e que, com o sequestro, o grupo tinha o objetivo de impedir possível delação por parte de Rios. Para coagi-lo, os criminosos teriam planejado e encomendado a ação contra a esposa dele. 

Também existe a suspeita de que mais guardas municipais estejam envolvidos com a quadrilha. A Polícia Civil não deu detalhes sobre a investigação nem confirma os fatos apurados. A Secretaria Especial de Segurança e Defesa Social de Campo Grande ainda não se manifestou sobre a segunda prisão. 

* matéria atualizada às 11:45 para acréscimo de informação  

Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

BRASIL

Quase um quarto dos jovens brasileiros não estuda nem trabalha, revela IBGE

Morre o crítico de cinema Rubens Ewald Filho, aos 74 anos
CINEMA EM LUTO

Morre o crítico de cinema Rubens Ewald Filho

De forma inédita, procissão de Corpus Christi será na 13 de maio
POR CONTA DO REVIVA

Procissão de Corpus Christi será na rua 13 de maio

Exército abre seleção para militares com salários de até R$ 7 mil
OPORTUNIDADE

Exército abre seleção com salários de até R$ 7 mil

Mais Lidas