Campo Grande - MS, segunda, 20 de agosto de 2018

Força-Tarefa

MPE cobra R$ 1 bilhão de acusados
de desvio da Operação Tapa-Buraco

Promotores pedem R$ 131 milhões de volta na 5ª ação de improbidade

12 JUL 2017Por DA REDAÇÃO06h:30

Supostas ilegalidades apontadas em contratos de manutenção de vias da Prefeitura de Campo Grande levaram o Ministério Público Estadual a pedir, entre ressarcimento aos cofres públicos e indenização por danos morais de coletivos, o pagamento de R$ 1,07 bilhão aos acusados.

São cinco denúncias ajuizadas pela força-tarefa do MPE contra empreiteiras, ex-prefeitos, ex-secretários, servidores públicos e empresários. Até o momento, duas destas acusações de improbidade administrativa transformaram-se em processos judiciais. 

Alguns nomes aparecem em todas as acusações, caso dos ex-secretários municipais responsáveis por obras públicas, João Antônio de Marco, Semy Alves Ferraz e Valtemir Alves de Brito; do ex-prefeito Nelson Trad Filho, e da empreiteira Usimix, fornecedora de composto betuminoso usinado a quente (CBUQ) para fechar os buracos das vias. 

Na mais nova denúncia, além dos nomes de gestores e servidores e fornecedora de massa asfáltica que se repetem nas outras ações, também figuram entre os acusados a empreiteira Enerpav e seus proprietários. Nos outros processos, foram acusadas as empreiteiras Selco, Proteco, Wala, LD Engenharia, Asfaltec, Equipe e Unipav.

*Leia reportagem, de Eduardo Miranda, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Leia Também