Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

Campo Grande - MS, segunda, 19 de novembro de 2018

br-163 interditada

Motorista de carro morre com celular
na mão ao bater em rodotrem

Trecho entre saída para Cuiabá e Uniderp Agrárias precisou ser interditado

21 AGO 2017Por RODOLFO CÉSAR E NATALIA YAHN16h:55

Um motorista, ainda sem identificação, morreu em acidente na BR-163, no km 487, em Campo Grande. O homem faleceu com o celular na mão e um número na tela do aparelho aparecia como não discado. O veículo que ele estava colidiu de frente com um rodotrem, carregado de algodão.

O acidente foi por volta das 14h30 e como o rodotrem tombou na rodovia, em trecho que fica entre a rotatória da Avenida Cônsul Assaf Trad, saída para Cuiabá (MT), e a Uniderp Agrárias, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) interditou a via. A paralisação já dura mais de duas horas e não tem hora para ser finalizada.

Quem precisa transitar pela região deve passar por desvio que foi montado antes do acidente pela PRF.

O Classic onde estava o homem que morreu ficou no acostamento. O rodotrem tombou no sentido Cuiabá-Campo Grande. O local do acidente tem uma descida íngreme e é faixa contínua, o que indica que é proibido ultrapassagem.

Viatura do Samu atendeu o motorista do caminhão e o levou para ser atendido em hospital da Capital. A concessionária CCR MSVia também levou viatura para atendimento de vítima.

A perícia criminal é aguardada no local para realização de levantamentos para depois ocorrer o início da limpeza da pista. O rodotrem também precisará ser rebocado.

O que motivou o acidente ainda vai ser apurado pela Polícia Civil. Diretor na CCR MSVia, Fausto Camilotti, explicou que a concessionária liberará a rodovia o mais rápido possível. "A perícia do acidente precisa ser feita para depois podermos realizar a limpeza e liberação", explicou.

 
  • Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado
  • Foto: Gerson Oliveira/Correio do Estado
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também