Campo Grande - MS, quinta, 16 de agosto de 2018

Meio ambiente

Mau cheiro de curtume
é imune à Justiça e ao MPE

Ministério Público já fez 3 pedidos de interdição e houve 19 notificações

22 SET 2017Por DA REDAÇÃO05h:30

Nem mesmo a ameaça de interdição pela Justiça leva o curtume e graxaria Qually Pele Ltda., localizado no Bairro Indubrasul, em Campo Grande, a se adequar à legislação ambiental. O mau cheiro ainda continua e é a principal reclamação dos moradores da região. 

Na semana passada, o promotor de Justiça Luiz Antônio Freitas de Almeida pediu a interdição do local. Conforme o integrante do Ministério Público Estadual (MPE), o estabelecimento polui o meio ambiente e apresenta várias irregularidades. 

As adequações para impedir a continuidade de problemas deveriam ser executadas em razão do Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), entretanto, o promotor alega que o acordo não foi cumprido integralmente.

“Muito pelo contrário, as atividades desenvolvidas diariamente estão causando a poluição gradativa do Córrego Imbirussu, com a emissão de efluentes líquidos”.

A observação foi feita em documento de julho deste ano. Em agosto, o problema persistia. Fiscalização da Secretaria de Meio Ambiente e Gestão Urbana (Semadur) flagrou descarte clandestino do lodo em propriedade rural vizinha ao empreendimento.

Os fiscais, na ocasião da aplicação da multa, foram impedidos de entrar no local pela administração do curtume.

*Leia reportagem, de Tainá Jara, na edição de hoje do jornal Correio do Estado.

 

Leia Também