Fale conosco no WhatsApp

Por sua segurança, coloque seu nome e número de celular para contatar um assessor digital por Whatsapp.

DECISÃO JUDICIAL

Delegacia de atendimento à infância
e juventude deverá funcionar por 24h

Sistema de plantão parou de funcionar em 2010 na Capital

24 JUL 17 - 14h:46MARIANE CHIANEZI

Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) determinou que o Estado de Mato Grosso do Sul deverá restabelecer o atendimento, por meio de plantão, da Delegacia Especializada de Atendimento à Infância e Juventude (Deaij), em Campo Grande. Prazo para cumprimento da medida é de 120 dias, sob pena de multa diária de R$ 10 mil.

A Deaij deixou o atendimento de plantão em 2010 e por esse motivo, o Ministério Público de Mato Grosso do Sul, por meio de ação civil pública, afirmou que a medida feria os direitos fundamentais de crianças e adolescentes apreendidos, colocando em risco a integridade física e mental deles.

Depois da sentença que julgou procedente o pedido de restabelecimento do plantão da delegacia, o Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul (TJMS) reformou a decisão, entendendo que a transferência de delegados estaduais, especialmente no plantão, seria de responsabilidade administrativa do Governo Estadual e, por isso, não caberia intervenção do Judiciário na formulação de políticas e na gestão governamental.

A Deaij fica localizada na Rua Soldado PM Reinaldo de Andrade, sem número, no Bairro Tiradentes, na Capital.

INFRATORES

O relator do recurso no STJ, ministro Napoleão Nunes Maia Filho, lembrou inicialmente que os artigos 4º, 18 e 125 do Estatuto da Criança e do Adolescente (ECA) preveem a imprescindibilidade da proteção e amparo especializado à criança e ao adolescente, mesmo que na condição de infrator.

O ministro destacou, também, que a impossibilidade de o Judiciário analisar atos da administração pública que envolvam a conveniência e oportunidade não é absoluta, já que eventuais abusos devem ser submetidos à apreciação da Justiça, a quem cabe o controle da legalidade dos atos administrativos.

No caso concreto, o relator entendeu que o pedido formulado pelo Ministério Público na ação civil pública está em consonância com o artigo 172 do ECA, que estipula que o adolescente apreendido em ato infracional será encaminhado à autoridade policial competente – a repartição policial especializada para o atendimento de crianças e adolescentes, quando houver.

Esse artigo foi útil para você?
Os comentários abaixo são opiniões de leitores e não representam a opinião deste veículo.

Leia Também

PT e PSL devem ficar com quase 20% do fundo eleitoral
ELEIÇÃO

PT e PSL devem ficar com quase 20% do fundo eleitoral

Dez ruas e avenidas serão interditadas no fim de semana para eventos
TRÂNSITO

Dez ruas e avenidas serão interditadas no fim de semana para eventos

Liverpool leva força máxima para disputar Mundial de Clubes no Catar
CAMPEONATO MUNDIAL

Liverpool leva força máxima para disputar Mundial de Clubes no Catar

Entidades apoiam reforma da Previdência sem emendas
NO ESTADO

Entidades apoiam reforma
da Previdência sem emendas

Mais Lidas

Gostaria-mos de saber a sua opinião